Gisnei

Gisnei

O Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou nesta quarta (15) o adiamento dos Jogos Olímpicos da Juventude para 2026. O evento, que terá Dacar (Senegal) como sede, estava marcado anteriormente para 2022. A decisão foi tomada para que os Comitês Olímpicos Nacionais (NOCs, na sigla em inglês) e as Federações Internacionais (Fis, na sigla em inglês) que foram afetadas pelo adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio para 2021 tenham mais tempo para organizar os preparativos das competições. Além disso, pesaram na deliberação os adiamentos de outros grandes eventos e as consequências operacionais e financeiras geradas pela pandemia do novo coronavírus (covid-19).

“Este acordo amigável ilustra a confiança mútua entre o Senegal e o COI. Gostaria de expressar meus sinceros agradecimentos ao presidente Macky Sall, um grande amigo e defensor do Movimento Olímpico, por esta relação excepcional de confiança e qualidade. Por todas essas razões, tenho certeza de que juntos organizaremos fantásticos Jogos Olímpicos da Juventude no Dacar, em 2026, para o Senegal, todo o continente africano e todos os jovens atletas do mundo”, declarou Bach.

Esta será a primeira edição dos Jogos Olímpicos da Juventude no continente africano. O evento acontece desde 2010, de 2 em 2 anos. Cingapura foi a primeira sede do evento. Na sequência, abrigaram os jogos Innsbruck (Áustria), em 2012, Nanjing (China), em 2014, Lillehammer (Noruega), em 2016, Buenos Aires (Argentina), em 2018 e Lausanne (Suíça), em 2020.

Edição: Fábio Lisboa

Por Rafael Monteiro - Repórter da Rádio Nacional 

O Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal vão oferecer o crédito com garantia do saque-aniversário do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Desde o último dia 26, todos os bancos estão autorizados a operar essa nova linha de crédito.

Segundo o diretor do Departamento de Gestão de Fundos do Ministério da Economia, Gustavo Tillmann, há cinco instituições financeiras aptas a oferecer o empréstimo. Tillmann afirmou que a garantia do saque-aniversário ajudará a tornar o custo do crédito mais barato para trabalhadores da iniciativa privada.

Ele citou que os servidores públicos têm atualmente acesso ao crédito consignado com taxas mais baixas, o que não acontece com os trabalhadores da iniciativa privada. “As operações de crédito consignado em maio para setor público chegaram a R$ 230 bilhões, enquanto para a iniciativa privada, eram de R$ 23,8 bilhões. Isso se deve muito pela falta de garantia nessas operações [para empregados de empresas privadas]. O saque-aniversário preenche essa lacuna, popularizando o acesso ao crédito”, disse hoje (15), ao participar de entrevista coletiva virtual sobre o boletim Macrofiscal.

O vice-presidente de Varejo da Caixa, Celso Leonardo Derziê de Jesus Barbosa, disse que o crédito será “inovador”. Ele afirmou que inicialmente o empréstimo será oferecido nas agências, mas será criada uma ferramenta digital para facilitar a contratação. “Nossa expectativa é de grande contratação”, disse.

O vice-presidente de Agronegócios e Governo do Banco do Brasil, João Pinto Rabelo Júnior, afirmou que em breve o empréstimo estará disponível para os clientes. “O cliente vai poder procurar as agências, central de relacionamento e mobile [pelo celular ou internet]. O banco vai fazer o bloqueio da garantia junto à Caixa e a liberação do recursos, tudo isso no prazo máximo de uma hora. É uma garantia bem forte que vai garantir uma redução importante da taxa de juros”, disse Rabelo Júnior.

Segundo o Ministério da Economia, pelo aplicativo do FGTS os trabalhadores já podem manifestar a intenção de contratação de operação de crédito e indicar a instituição financeira de interesse.

De acordo com a Caixa, mais de 5,3 milhões de trabalhadores já optaram pela sistemática saque-aniversário do FGTS, o que corresponde a cerca de R$ 6,7 bilhões de recursos que serão liberados, por ano.

Edição: Valéria Aguiar

Os deputados estaduais aprovaram, durante sessão plenária virtual na tarde desta quarta-feira (15/7), o projeto de Lei 110/2020, que dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da Lei Orçamentária para o exercício econômico-financeiro de 2021. A proposta foi aprovada de forma unânime, com 53 votos favoráveis.

Neste ano, em um acordo inédito construído pelo governador Eduardo Leite junto aos demais Poderes e órgão autônomos, a LDO 2021 fixou o duodécimo com fonte do Tesouro em R$ 5,9 bilhões no ano, mantendo o mesmo patamar do mês de abril deste ano. A partir disso, haverá uma economia de R$ 410 milhões aos cofres públicos, com a possibilidade de repetição do contingenciamento também em 2022. A LDO foi protocolada na Assembleia Legislativa em 14 de maio, com a presença de todos os chefes dos Poderes.

"Este acordo foi fruto de um bom entendimento entre o Executivo e os demais Poderes e órgãos autônomos, que demonstraram imensa solidariedade ao compreenderem a gravidade da situação que estamos enfrentando. Mostramos, todos juntos, que é possível haver entendimento e trabalho conjunto, em uma mesma direção, para atender os anseios da sociedade. Esse planejamento realista é necessário, especialmente em momentos de crise", afirmou o governador Eduardo Leite.

O texto da LDO 2021 estabelece as despesas totais em R$ 51,482 bilhões. Com isso, o resultado primário (quando são desconsideradas algumas despesas, como os serviços da dívida), tem deficit estimado em R$ 3,9 bilhões, quase três vezes o que está projetado para este ano.

Além dos impactos da Covid-19 sobre a atividade econômica, a arrecadação do ICMS poderá registrar recuo de 6,7% em 2021 também em decorrência do fim das alíquotas majoradas no final do ano. A receita prevista com o principal tributo ficará em R$ 35 bilhões, o que igualmente trará reflexos nos repasses da cota-parte aos municípios.

As despesas com pessoal e os encargos sobre a folha estão projetados em R$ 32,529 bilhões – acréscimo de 5,8% na comparação com 2020. A proposta da LDO 2021 não considera ainda, nas suas projeções eventuais, auxílios federais ao longo do próximo ano e trabalha com cenários sem a adesão ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF). Para efeitos orçamentários, são considerados os serviços da dívida com a União, embora o Estado não esteja pagando as prestações mensais desde julho de 2017, amparado por uma liminar do Supremo Tribunal Federal (STF). Isso representa um alívio ao redor de R$ 4 bilhões por ano sobre as contas públicas.

“A votação de hoje é o reflexo da incansável disposição ao diálogo do governador Eduardo Leite. É um acordo histórico que vai proporcionar uma contenção de mais de R$ 410 milhões e uma demonstração de solidariedade dos demais Poderes e órgãos autônomos do Estado”, reforçou o secretário-chefe da Casa Civil, Otomar Vivian. Além disso, Vivian destacou o esforço do Parlamento. “O protagonismo da Assembleia Legislativa, presidida pelo deputado Ernani Polo, e do líder do governo, deputado Frederico Antunes, foi reforçado com a aprovação unânime da LDO 2021”, finalizou.

Texto: Jessica Gamarra/Ascom Casa Civil e Pepo Kerschner/Ascom Seplag
Edição: Marcelo Flach/Secom

Na manhã desta quarta-feira (15), o prefeito municipal Solimar Ico Charopen recebeu em seu gabinete a visita do superintendente do Incra, Sr. Tarso Teixeira, a fim de tratar sobre os projetos e ações que vem sendo desenvolvidos no Município.

O superintendente anunciou que dará prioridade aos pedidos solicitados sobre veículos e computadores para a Secretaria de Agricultura, além da titulação dos assentamentos Apollo e Cerro dos Munhoz e a proposta para elaboração de projeto de oliveiras, agricultura e vitivinicultura nos assentamentos.

O prefeito municipal agradeceu ao Incra pela entrega dos equipamentos, frisando que os mesmos serão utilizados nas ações de apoio aos produtores locais.

A reunião também teve como pauta os trabalhos desenvolvidos pelo Incra junto aos Municípios para melhorias das estradas rurais. Nesse sentido, foi relatado pelo Executivo Municipal a parceria existente com os produtores da região, os quais têm auxiliado as equipes na manutenção e reparo de pontes e estradas.

Participaram da reunião, a secretária de Agricultura Thais Gonçalves, o secretário Geral de Governo Ricardo Dutra, secretário de Desenvolvimento Vinícios Repeto, o presidente da Associação e Sindicato Rural de Livramento, Luis Carlos D’Auria, e o vice-presidente da entidade Jair Meneses.

Após confirmar a renovação da parceria com o Sesi por mais uma temporada, o Vôlei Bauru anunciou nesta terça (14) a renovação do contrato com o técnico Anderson Rodrigues, campeão olímpico como jogador nos Jogos de 2004, em Atenas, para disputar a temporada feminina 2020/2021.

Como técnico, ele já havia sido campeão paulista em 2018/2019 pelo próprio Sesi Vôlei Bauru. “Vamos trabalhar com contratações pontuais para montar uma equipe forte, com o objetivo de crescer ainda mais, evoluir e que sejamos um time vencedor”, declarou à Agência Brasil.

Além da manutenção do comando técnico, o Sesi Bauru passará por mudanças significativas na parte administrativa. Uma delas é a chegada do ex-treinador Sérgio Negrão, campeão mundial de clubes (1994) e tricampeão da Superliga (1994/1995, 1995/1996 e 1996/1997), que será gerente de projetos da Associação Vôlei Bauru e assessor do time do Sesi Bauru.

Já o São Caetano, que ainda busca um patrocinador para a próxima temporada, confirmou na última segunda que aceitou o convite da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) e vai disputar a elite da Superliga feminina em 2020/2021, mantendo assim a tradição de estar presente em todas edições do torneio desde a sua criação.

“Itajaí e Valinhos abriram mão das vagas na Superliga A, recebemos o convite na quinta-feira passada e, ontem, aceitamos. Vamos partir para esse desafio. Mas hoje temos apenas a equipe infanto-juvenil com o apoio da Prefeitura. Estamos em busca de parceiros para montar a equipe adulto. O primeiro desafio foi superado, que era conseguir a vaga na elite. Agora, é seguir firme para estarmos bem preparados no início da liga, que deve ser em novembro", declarou o técnico Fernando Gomes à Agência Brasil.

O Curitiba, que, assim como o São Caetano, passa por sérios problemas financeiros, oficializou nesse início de semana a saída da oposto Yasmin Bednarczuk. Aos 20 anos, a jovem vai jogar no Porto (Portugal). Já no Osasco a notícia é a saída da ponteira Fernanda Tomé. Após uma temporada jogando na equipe da grande São Paulo, a atleta parte para a primeira experiência no exterior. Aos 30 anos, ela vai defender o Bolu Belediyespor (Turquia).

central flávio

O central Flávio deixa o Sesc Rio de Janeiro e vai jogar na Polônia - Wander Roberto/CBV/Direitos Reservados

Entre os homens, dois jogadores de destaque da seleção brasileira se apresentaram na última segunda a seus novos times na Polônia. O central Flávio, ex-jogador do Sesc Rio de Janeiro, já treinou com os novos companheiros do Aluron Virtu CMC Zawiercie. Já o ponteiro Lucas Lóh, que deixou a equipe do Sesi, já participou da primeira atividade no Cerrad Enea Czarni Radom. Outro atleta que deixou o Sesc e partiu para o exterior é o ponteiro Djalma. Ele defenderá o Qadsia (Kuwait) na temporada 2020/2021. O oposto Caio Oliveira deixou o Vôlei Ribeirão e está a caminho da Turquia, para defender o Tursad.

Brasileiros na Itália

A ponteira passadora Rosamaria confirmou na última segunda a equipe que defenderá em sua segunda temporada no vôlei italiano. Após defender o Perugia, a atleta, que teve passagem pela seleção brasileira em 2017 e 2018, vai jogar pelo tradicional Casalmaggiore. Também na Itália, o levantador brasileiro naturalizado francês Rafael Redwitz, de 39 anos, anunciou que vai fazer parte do plantel do Ravena na próxima temporada.

Campeonato Brasileiro de seleções

Através de nota oficial, a CBV anunciou nesta semana que, por causa da pandemia de covid-19, o calendário de competições do Campeonato Brasileiro de Seleções (CBS) de 2020 está cancelado. Serão considerados os resultados da temporada 2019 para a efetivação dos torneios de 2021.

O calendário desse ano previa 12 campeonatos. Contudo, somente quatro tinham sido realizados, todos em Saquarema (RJ).

Edição: Fábio Lisboa

A Caixa disponibilizou, até hoje (14), R$ 4,4 bilhões por meio do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe). Somando os contratos assinados e as propostas em fase final de análise, o banco atingiu o limite autorizado pelo Fundo Garantidor de Operações (FGO), que atualmente é de R$ 5,9 bilhões, informou o banco.

São 8.234 pré-contratos assinados, que totalizam R$ 1,2 bilhão à espera de liberação, além de demandas de clientes que estão com a documentação em análise. A média do processo de análise de crédito é de cinco dias. Com início em 16 de junho, a Caixa disse que foi a primeira instituição financeira a operar com o Pronampe.

Além do Pronampe, a Caixa informa que oferece várias linhas de crédito para micro e pequenas empresas (MPE), como o Crédito Assistido Sebrae, amparado pelo Fundo de Aval para as Micro e Pequenas Empresas (Fampe), em parceria com o Sebrae para microempreendedores individuais (MEI) e MPEs.

O banco contratou até hoje R$ 1,8 bilhão pelo Crédito Assistido Sebrae e, somando com o valor disponível do Pronampe, atinge R$ 7,7 bilhões.

Como solicitar o Crédito Assistido Sebrae

O Crédito Assistido Sebrae conta com carência de até 12 meses em operações de até 36 meses para pagamento. Para ter acesso ao Fampe, é necessário realizar o tutorial do Sebrae com orientações e informações sobre como utilizar o crédito. Após realizar o cadastro e assistir ao tutorial no site do Sebrae, a empresa deve preencher um formulário no site Caixa Com sua Empresa (www.caixa.gov.br/caixacomsuaempresa) e manifestar o interesse pelo crédito. Um gerente entrará em contato com a empresa por telefone para ofertar o pacote de soluções financeiras do banco, com gerenciador financeiro virtual e acompanhamento empresarial pelo Sebrae.

APP para as empresas

Em nota, a Caixa informou ainda que lançará em agosto um novo aplicativo voltado para as micro e pequenas empresas, onde os clientes poderão acessar e contratar todas as soluções financeiras do banco para os negócios. Com o lançamento pela Caixa da esteira digital, o cliente precisará ir à agência da CAIXA apenas para assinatura do contrato. Toda a análise para liberação do crédito ocorrerá digitalmente.

Edição: Aline Leal

O governo do Estado começou a apresentar, nesta terça-feira (14/7), a Reforma Tributária RS – um conjunto de propostas estruturante, transformador e inovador que busca completar o ciclo de reformas que começou em 2019 no Rio Grande do Sul. Em reuniões virtuais com deputados e jornalistas pela manhã – além de outra marcada para a tarde com empresários –, o governador Eduardo Leite e o secretário da Fazenda, Marco Aurelio Cardoso, apresentaram os conceitos da reforma.

Nesta primeira rodada de diálogo sobre o projeto, o governo focou em mostrar o diagnóstico com os principais problemas do atual sistema de tributação gaúcho, os motivos para fazer a reforma e os propósitos que almeja a partir das mudanças. Em um segundo momento, serão apresentadas e detalhadas as propostas, para então permitir um período de construção coletiva para aprimorar o projeto e então levá-lo para o debate na Assembleia Legislativa.

O Estado enfrenta, há décadas, uma crise fiscal estrutural, que foi dramaticamente agravada nos últimos anos devido à prolongada recessão econômica e, mais recentemente, à pandemia do coronavírus. O desajuste do setor público, a baixa capacidade de investimentos e o custo da estrutura produziram a deterioração dos indicadores de infraestrutura, educação e qualidade de vida do estado nos últimos anos.

Para 2021, o deficit orçamentário está previsto em R$ 7,9 bilhões, resultado do cenário de incertezas dos impactos da pandemia de Covid-19 sobre a arrecadação e do fim das atuais alíquotas majoradas de ICMS na virada do ano.

“Neste contexto extremamente complicado, a Reforma Tributária RS se mostra como uma oportunidade para o Estado melhorar seu ambiente de negócios e uma necessidade para evitar o agravamento do desequilíbrio financeiro. Com os impactos da pandemia, mais do que nunca é necessária uma reforma que promova justiça tributária e desenvolvimento econômico”, destacou Leite na conversa com os 46 deputados, representando todas as 17 bancadas estaduais.

Baseado em três pilares – auxiliar o equilíbrio fiscal, tributar melhor e promover tributação mais justa –, o governo estabeleceu oito macroestratégias da Reforma Tributária RS:

RT macroestratégias

Proposta inédita e inovadora

Com essa iniciativa, reforçou o governador, o Rio Grande do Sul larga na frente no caminho que deve ser percorrido para implementar uma reforma tributária no Brasil, sem esperar pelo projeto nacional, que ainda está em discussão e não tem prazo para ser votado. A partir de uma proposta robusta local, se busca promover um sistema mais justo e equilibrado que proporcione competitividade ao Estado e desenvolvimento econômico e social.

“Entendemos que o sistema tributário deve ser um tema de Estado, muito mais do que de governo. É nisso que queremos avançar no RS, apresentando medidas que permitam termos uma estrutura constituinte e que perdura no tempo, já que um dos problemas no nosso sistema atual é justamente a insegurança jurídica gerada pela sua complexidade. E esse é um dos principais pontos que queremos superar, trazendo mais clareza e simplicidade na tributação para estimular os investidores”, reforçou Leite.

O secretário da Fazenda destacou, ainda, que o fim das atuais alíquotas majoradas de ICMS na virada do ano impulsionou o desenvolvimento desse grande projeto, mas que o conjunto de medidas busca resolver uma série de outras questões que inibem o desenvolvimento do Estado, entre as quais a oneração dos mais pobres.

Em gráfico, Marco Aurelio apresentou o impacto do ICMS por faixa de renda, que é de 3,4% sobre as famílias que ganham mais de R$ 23.850,00 e chega a 14,7% para aquelas que recebem até R$ 1.908,00 por mês.

“A reforma cumpre com o compromisso de não renovar a majoração das alíquotas sobre os itens chamados de blue chips, combustíveis, energia e telecomunicações, e de torná-las mais parecidas com Estado que já passaram pela tentativa de simplificação, como Santa Catarina e São Paulo, mas também busca desonerar as famílias de baixa renda, para quem o imposto sobre o consumo é muito mais pesado nas suas contas, causando uma injustiça tributária que há muito tempo é criticada”, destacou o secretário.

Por que fazer a reforma tributária

Um dos focos da apresentação desta terça (14) foi expor os motivos para a proposta do Estado, resumidos em três tópicos:

1. É prioridade para o governo modernizar o sistema tributário, tendo apresentado no ano passado 30 medidas do Receita 2030.
2. Há uma discussão amadurecida nacionalmente de que a mudança é urgente. O Estado, além de apoiar a reforma tributária nacional, está antecipando medidas no âmbito local.
3. A redução de alíquotas de ICMS no final do ano demandará medidas financeiras compensatórias, tendo em vista a fragilidade fiscal do Estado e de prefeituras e a crise mundial.

Em seguida, o governador e o secretário da Fazenda falaram sobre o diagnóstico do atual sistema tributário gaúcho, com três grandes problemas que geram impactos significativos na arrecadação e no desenvolvimento do Estado:

• Complexidade, com a multiplicidade de alíquotas e a diversidade de isenções, o que gera custos operacionais para empresas e para o Estado, insegurança jurídica e alto nível de judicialização;
• Cumulatividade, com o estorno de créditos de ICMS e vedação a diversos “creditamentos” do imposto, o que gera perda de competitividade e acréscimo de custos; e
• Regressividade, com baixa participação dos impostos sobre o patrimônio e ineficácia das desonerações sobre o consumo básico, gerando peso dos impostos maior para os mais pobres, inibe o consumo e gasto público deslocado do objetivo das isenções.

A partir desse cenário, a Reforma Tributária RS foi sustentada em três pilares:

• Auxiliar o equilíbrio fiscal: manter a arrecadação e buscar sustentabilidade fiscal;
• Tributar melhor: desenvolver o Estado, favorecendo os negócios, melhorar a competitividade, observar práticas internacionais e alinhar com reforma tributária nacional;
• Promover tributação mais justa: redistribuição mais equitativa da carga tributária do Estado e entre empresas e cidadãos.

Clique e entenda os conceitos da Reforma Tributária RS.

Texto: Vanessa Kannenberg
Edição: Marcelo Flach/Secom

Foto: Gustavo Mansur / Palácio Piratini

A Reconquista Agricultura e Pecuária, do criador José Paulo Dornelles Cairoli, de Alegrete (RS), promove o Leilão Virtual Seleção 30 anos Reconquista, que ocorrerá no dia 22 de julho, a partir das 20h30. Serão ofertados 21 touros Angus Puros de Origem (PO), 19 vacas prenhes Angus PO, quatro fêmeas Angus PO de cabanha, 20 novilhas prenhes Angus PO, 15 novilhas sobreano Angus PO, 10 terneiras Angus PO e 80 embriões. A transmissão do remate será feita pelo Canal do Boi.

Os destaques da oferta são sete touros para central. Entre eles, estão um reservado campeão terneiro menor da Expointer 2018, um campeão terneiro maior e um reservado campeão terneiro maior da Exposição de Uruguaiana de 2019, um reservado campeão terneiro maior e um terceiro touro júnior da Expointer de 2019. Já entre as fêmeas, quatro de cabanha sendo a terceira melhor fêmea na Exposição de Uruguaiana de 2019, duas novilhas de embriões importadas do criatório SAV, além de embriões de diversas doadoras do plantel de elite com comprovados filhos e filhas.

As condições de pagamento do leilão, que ficará a cargo da Central Leilões, podem ser feitas em 30 parcelas, (2+2+2+2+2+2+18×1). Mais informações podem ser solicitadas pelo telefone da SAP Assessoria: (14) 98143-4557 ou no e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..  

 

Quem quiser contribuir para as pessoas que precisam complementar a alimentação, necessidade ainda mais urgente durante o período de combate à Covid-19, agora tem mais uma opção. A Campanha Prato Cheio, que é realizada tradicionalmente duas vezes ao ano, será ampliada e ocorrerá de forma permanente em 2020. Até o final do ano, as unidades Sesc e Senac do RS e instituições parceiras como sindicatos filiados ao Sistema Fecomércio-RS, empresas e universidades estão recebendo doações de alimentos não perecíveis, que serão destinados a entidades cadastradas no Programa Mesa Brasil Sesc.

O objetivo da ação é fortalecer a rede de solidariedade formada por entidades sociais, empresas doadoras, voluntários e comunidade em prol da redução das carência alimentares da população em vulnerabilidade social. Podem ser doados alimentos não perecíveis, dentro do prazo de validade e com embalagens íntegras. Em 2019, a Campanha Prato Cheio arrecadou mais de 39 toneladas de alimentos em todo o estado.

Durante o período de combate à Covid-19, o Mesa Brasil também está recebendo doações por meio de transferências ou depósitos bancários. Para contribuir, os dados da conta do Banco do Brasil são: SESC - Sesc Mesa Brasil 2020, Agência: 3418-5, Conta Corrente: 6461-0 (Conta cadastrada no CNPJ: 03.575.238/0001-33). É possível contribuir com qualquer quantia - uma doação de R$ 5, por exemplo, equivale a 1kg de alimento, que irá ajudar a complementar cerca de cinco refeições. Para doar diretamente pelo site, é possível acessar www.senacrs.com.br/doacoes .

O Sistema Fecomércio-RS/Sesc/Senac segue atendendo as recomendações de evitar aglomerações e com cuidado redobrado com a saúde das equipes e clientes. Por isso, a recomendação é que o público siga cumprindo as orientações dos órgãos de saúde. A programação on-line e gratuita segue sendo atualizada nas redes sociais e no site www.pertodevc.com.br

 

Jéssica Mello

Moglia Comunicação Empresarial

Fone: (51) 3029.3249 | (51) 9 9546-6464

A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) anunciou a retomada das Copas Libertadores e Sul-Americana. A Libertadores reiniciará no dia 15 de setembro e a Sul-Americana em 27 de outubro. Ambas as competições terão seus regulamentos mantidos, como previsto inicialmente. Em nota a entidade afirmou que o retorno estará em conformidade com as determinações das autoridades sanitárias de cada país. 

“Esse fator, somado à elaboração e aprovação unânime do Conselho do Protocolo Conmebol e de um manual operacional para viagens e treinamentos possibilita o retorno da Conmebol Libertadores e da Conmebol Sul-Americana. Com a aplicação rigorosa e responsável de todos os jogadores de futebol, o desejo de retorno do futebol se tornará uma realidade das condições de saúde, sempre cuidando da saúde de todos.”

De acordo com o calendário divulgado pela Conmebol, os dois campeonatos, que foram suspensos em março devido à pandemia do novo coronavírus, serão concluídos em 2021. As finais ainda não têm data confirmada, embora haja marcação no cronograma para ocorrerem em 23, 24 ou 30 de janeiro. As semifinais de ambas as disputas estão agendadas para 6 e 13 de janeiro. Em relação a decisão da Recopa no ano que vem, que é o confronto entre os campeões da Libertadores e Sul-Americana, ocorrerá em 12 e 19 de fevereiro.

A Libertadores foi interrompida quando se encontrava na 3° rodada da fase de grupos, tendo sete representantes brasileiros em busca do título continental: Athletico-PR, Flamengo, Grêmio, Internacional, Palmeiras, Santos e São Paulo. Já a Sul-Almericana foi suspensa na 2° fase, com dois clubes do Brasil na disputa – Bahia e Vasco

Repórter da Radio Nacional do Rio de Janeiro

Página 1 de 432
Topo