Gisnei

Gisnei

O Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) divulgou hoje (20) uma nota pública em que reitera o trabalho para encontrar soluções que permitam a manutenção do período letivo em tempos de isolamento social em função da pandemia da covid-19.

Segundo a nota, o Consed segue defendendo o isolamento social, por determinação dos governos estaduais e recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS). Enquanto isto, procura ações “como oferecimento de ensino remoto e um planejamento do retorno às aulas presenciais que possa mitigar as perdas e para garantir a aprendizagem de nossos estudantes”. O conselho diz não ter apoio do MEC neste sentido.

A entidade representativa das secretarias estaduais de Educação reforça ainda a necessidade de um ajuste no cronograma da edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano. “Entendemos também ser fundamental o adiamento das datas das provas do Enem, para que não sejam ampliadas ainda mais as desigualdades educacionais em nosso país”, reforça o documento.

A nota do Consed responde à publicação de ontem (19) do ministro da Educação, Abraham Weintraub, em sua rede social. Na ocasião, ele disse que o ano não está perdido e que os governadores devem planejar o retorno às aulas.

Edição: Juliana Andrade

Por Agência Brasil - Rio de Janeiro

O Laboratório de Bacteriologia Geral do Instituto Biológico (IB-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, foi credenciado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) para realizar diagnóstico de mormo pela técnica ELISA. Essa metodologia apresenta uma sensibilidade diagnóstica maior que a técnica de fixação de complemento, utilizada até então pelos laboratórios brasileiros, inclusive o do IB. A extensão do escopo do laboratório do IB para diagnóstico de mormo pela técnica ELISA foi publicada pelo MAPA em 8 de abril.

O laboratório do IB é o terceiro na cidade de São Paulo a ter esta extensão. O mormo é uma doença que acomete os equídeos, ou seja, equinos, muares e asininos, e pode ser transmitida ao ser humano, por ser uma zoonose. O trânsito dos equídeos, por exemplo, só pode ser feito a partir do diagnóstico que comprove que o animal não está infectado.

Segundo a pesquisadora do IB, Alessandra Nassar, esta extensão de escopo foi necessária para atendimento a Portaria nº 35 do MAPA, de 17 de abril de 2018, que definiu o teste de triagem pela técnica de ELISA para diagnóstico de mormo. De acordo com a Portaria, todos os laboratórios credenciados no MAPA para a realização do diagnóstico pela técnica de fixação de complemento deveriam solicitar a extensão para realizar o exame por ELISA em um prazo máximo de dois anos. 

"O Instituto Biológico fez adequações no laboratório para conseguirmos esta extensão de escopo. A técnica ELISA apresenta alta sensibilidade para detecção de anticorpos contra a doença do mormo", afirma. Além do credenciamento do MAPA, o Laboratório de Bacteriologia Geral do IB é acreditado pela norma internacional ISO 17025, relacionada à qualidade dos diagnósticos realizados e possui capacidade de atender vários municípios dentro do estado ou mesmo do país.

Mormo

O mormo é uma doença infectocontagiosa, causada pela bactéria Burkholderia mallei. A doença acomete principalmente os equídeos e é caracterizada por provocar lesões em trato respiratório, cutâneas e linfáticas. "Grande parte dos animais são assintomáticos, podendo transmitir a doença aos outros animais da fazenda. Por ser zoonose, tratadores e médicos-veterinários que lidam diretamente com os animais devem sempre utilizar equipamentos de proteção, como máscaras, luvas e avental, quando suspeitar da doença, e coletar amostra de soro para confirmação do diagnóstico", afirma. 

Os exames diagnósticos são indispensáveis para o trânsito dos animais entre cidades, estados e país e a validade do exame é de 60 dias. "Sem o exame do mormo, os cavalos não podem ser transportados", explica Alessandra. Ao ser diagnosticado com a doença, o animal precisa ser sacrificado e o local onde se encontra deve ser interditado até a completa resolução do caso dos positivos.

O secretário de Agricultura e Abastecimento Gustavo Junqueira destaca a importância do credenciamento. "O Instituto Biológico tem expertise no desenvolvimento de pesquisa para a sanidade animal e a extensão do escopo de suas atividades permitirá um diagnóstico muito mais eficaz para o controle desta zoonose. A pesquisa e a inovação são fundamentais para o desenvolvimento do agro paulista", afirma.

Fonte: https://www.agrolink.com.br/ 

Imagem: Pixabay

Por: AGROLINK COM INF. DE ASSESSORIA

 

A Caixa Econômica Federal paga hoje (17) a 1.359.786 beneficiários do Bolsa Família cujo último digito do Número de Identificação Social - NIS - é igual a 2.

Também nesta sexta-feira, ela deposita o auxílio emergencial de R$ 600 para 1.958.268 de pessoas nascidas em setembro, outubro, novembro e dezembro (inscritas no Cadastro Único que não recebem Bolsa Família).

O crédito será feito na conta poupança digital da Caixa aberta pelo banco para cada beneficiário.

Saque em dinheiro

O auxílio emergencial começará a ser sacado em dinheiro no próximo dia 27. Os saques ocorrerão conforme o mês de nascimento do beneficiário. A medida visando reduzir os efeitos do coronavírus na economia brasileira.

As retiradas ocorrerão no dia 27 para os nascidos em janeiro e fevereiro, no dia 28 para os nascidos em março e abril, dia 29 para os nascidos em maio e junho e no dia 30 para os nascidos em julho e agosto. Em maio, será a vez de os nascidos em setembro e outubro sacar o benefício no dia 4; e os nascidos em novembro e dezembro, no dia 5.

O dinheiro poderá ser retirado sem a necessidade de cartão em casas lotéricas, caso elas estejam abertas, e em caixas eletrônicos. 

A Caixa informou que não é necessário retirar o dinheiro porque o valor depositado na poupança digital pode ser movimentado por meio do aplicativo Caixa Tem, para pagamento de boletos e contas domésticas e para transferências ilimitadas para contas da Caixa, permitindo até transferências mensais gratuitas para outros bancos nos próximos 90 dias.

Bolsa família

Os beneficiários do Bolsa Família começam a receber o auxílio emergencial hoje, nos casos em que o valor é mais vantajoso que o recebido pelo programa de transferência de renda. 

O pagamento será feito para os beneficiários com Número de Identificação Social – NIS 1. Amanhã, será a vez de 1.359.786 famílias com NIS 2. Os valores serão creditados de acordo com o NIS até o dia 30 deste mês, quando será pago para aqueles com NIS 0.

Edição: Kleber Sampaio

O Departamento de Cooperação e Propaganda (DCP) foi a primeira Torcida Organizada da história colorada. Fundado em 1940, teve, entre seus criadores, Vicente Rao, figura influente no carnaval de Porto Alegre e que personificou como poucos na história a essência plural e democrática do Internacional. Com o DCP, Rao, que também fora fundamental na estruturação das categorias de base alvirrubras, conseguiu levar para as arquibancadas dos Eucaliptos toda a euforia dos blocos e escolas de samba de nossa capital. Icônico, o torcedor dedicou grande parte de sua vida ao Clube do Povo exatamente por enxergar, no Inter, caráter popular único entre as instituições gaúchas, característica que muito o orgulhava. Passadas quase oito décadas da fundação do Departamento, os descendentes desta tradição têm demonstrado, especialmente nas últimas semanas, marcadas pelo combate ao novo coronavírus, que, mais do que perpetuar a festa nas arquibancadas vermelhas, também herdaram o DNA solidário que servira de motor a seus predecessores.

Mais antiga das Torcidas coloradas da atualidade, a Camisa 12, que também teve, há mais de 50 anos, Vicente Rao como um de seus fundadores, sempre entendeu que o papel de uma Organizada vai muito além das quatro linhas. Agregadora da sociedade, historicamente protagonista de ações sociais, a 12 deu mais uma prova de sua tradicional mobilização durante o combate à atual crise mundial. Ao todo, em menos de 10 dias de intensa campanha, a Torcida arrecadou mais de duas toneladas de alimentos e materiais de higiene, donativos que foram reunidos graças ao empenho de diversos comandos situados não apenas na região metropolitana, mas também na Serra, Centro e outros estados, e entregues para famílias necessitadas.

Atual maior Torcida do Clube, a Guarda Popular promoveu ação social à altura do protagonismo que exerce na arquibancadas alvirrubras. Realizada com o objetivo de ajudar os mais necessitados neste momento difícil, a ação da Organizada conseguiu, através da rede de núcleos componentes da Popular, distribuir toneladas de alimentos e produtos de limpeza em mais de 25 municípios do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, assim ajudando no sustento de diversas famílias.

Igualmente tradicional nas arquibancadas coloradas, presente no Beira-Rio desde 1977, a Força Independente Colorada (FICO) também está fazendo a sua parte. Desde o final de março, a Torcida vem arrecadando fundos para a compra de cestas básicas, que serão repassadas a pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Identificada desde sua fundação, em 1992, com o ‘povão’, ou seja, com as origens humildes do Clube do Povo, a Nação Independente atestou seu tradicional DNA popular no último final de semana. Primeiro, no sábado (11/04), os comandos Alvorada e Zona Norte entregaram uma tonelada de alimentos, produtos de higiene e doces a famílias dos bairros Umbu e Sobrado, localizados no município da região metropolitana. Já no domingo de Páscoa (12/04), quase duas toneladas de alimentos e produtos foram doados pelo Comando Trem nos bairros Rio Branco, Mato Grande, Mathias Velho, Guajuviras e Niterói, todos localizados na cidade de Canoas.

Torcida que carrega o engajamento social na sua essência, primeira do sul do Brasil a ser formada exclusivamente por mulheres, a Força Feminina Colorada (FFC) vem distribuindo cestas básicas desde o início da pandemia. Por iniciativa de uma das integrantes da Organizada, inicialmente foi realizada a doação de alimentos e produtos de higiene para os integrantes de projeto social organizado pela FFC. Em seguida, o grupo de torcedoras recebeu 40 cestas do ‘Instituto E Se Fosse Você’, as quais foram destinadas à comunidade da Chácara do Banco, localizada na Restinga. Por fim, às crianças atendidas com suas mães na Mirabal, Casa de mulheres também ajudada, foram entregues doces e brinquedos.

O futebol, definitivamente, não existiria sem a paixão dos torcedores e torcedoras. A responsabilidade daqueles que vivem diariamente uma instituição com biografia popular como a colorada, entretanto, não se esgota no apoio a nossos ídolos. A grandeza do Internacional não se limita aos feitos relevantes conquistados dentro de campo. Afinal de contas, o que seria de nosso Clube sem sua gigante casa, levantada pelo mais obstinado dos povos, capaz de duelar com as águas de um rio para levantar morada própria? Como dominaríamos as terras gaúchas e desbravaríamos o Brasil sem o abraço da Maior e Melhor Torcida Rio Grande, apaixonada pelo Inter muito por conta de nossa identidade plural e aberta?

O exemplo de solidariedade dado por nossas Torcidas, além de louvável, é também coerente com nossa história. Conscientes deste panorama, todas as Organizadas seguem mobilizadas, promovendo novas campanhas e arrecadando donativos. O sucesso de cada uma destas ações, todavia, precisa do teu apoio para ser atingido. Por isso, convocamos o povo colorado, em sua totalidade, a contribuir com cada uma destas iniciativas. Lado a lado, a cada quarta e domingo somos decisivos no jogo, transformando o Beira-Rio no mais hostil território aos adversários. Agora, juntos, faremos a diferença na vida dos que precisam de nosso apoio. Faça sua parte entrando em contato com os perfis abaixo!

Camisa 12

Guarda Popular

F.I.C.O

Nação Independente

Força Feminina Colorada

Fonte: https://internacional.com.br/ 

“Aristóteles disse certa vez, há quase 2.400 anos na Grécia antiga, que a arte imitava a vida. Oscar Wilde, 23 séculos depois no Reino Unido, disse o inverso afirmando, por sua vez, que a vida imitava a arte. O contraponto dos pensamentos acima nos traz pra realidade moderna da sociedade, especificamente em 2020, quando o mundo globalizado passou a conviver com um incômodo problema viral invisível, silencioso e traiçoeiro. Seu trabalho imita sua vida pessoal? Ou sua vida pessoal imitará a cultura corporativa da empresa que você faz parte?”

O questionamento é do Headhunter especializado em empresas que estão passando por processo de profissionalização, Marcelo Arone, que vem analisando as transformações profundas pelas quais o mercado está passando com a pandemia do novo Coronavírus. Para ele, não se pode, ao menos por ora, afirmar que esse sistema no qual estamos inseridos mude radicalmente depois que a tempestade passar, mas é preciso compreender as lições deixadas por ela para que possamos repensar nossas atitudes no dia a dia. Seja em casa ou no trabalho. Para ele, um fará cada vez mais parte do outro.

“Muitos profissionais e executivos nos grandes centros costumam trabalhar mais da metade de um dia comum. Com o avanço da tecnologia, sem perceber você está respondendo e-mails ou fazendo o famoso “Follow-up” pelo whatsapp da sua casa”, lembra Marcelo. Vivíamos vidas em função do escritório, mesmo em casa: “aos finais de semana, ao invés de aproveitar o tempo com seus filhos, esposa ou marido, você lembrava da reunião semanal e corre pra inserir alguma informação relevante na sua apresentação pro chefe. Nos últimos 30 dias, nossa sala virou escritório, nosso cartão de ponto foi o sol, nosso trânsito foi o tempo da cafeteira e nosso sapato virou chinelo”, enfatiza.

Por isso, para o headhunter, o Home Office veio pra ficar: “muitos já o faziam, poucos de maneira mais correta, digamos, mas, sem dúvida, as empresas já assumem que o custo operacional e mesmo a eficiência em manter os colaboradores (que podem trabalhar parte da semana em casa) vale a pena”, explica.

Marcelo lembra que, em crises, sempre há quem perca e quem esteja, mesmo que indiretamente, ganhando: “se, infelizmente, o saldo total de desempregados, ao que tudo indica, será elevado em áreas como o comércio ou serviços não essenciais, em setores como E-Commerce, Tecnologia Digital, Saúde e Indústria de Alimentos não só irão manter o quadro de funcionários como buscarão no mercado novos profissionais. Quem tiver a pró atividade em entender esse contexto todo, se reinventar (essa é a palavra da moda no momento) e posicionar sua carreira e habilidades técnicas para as novas demandas que a sociedade irá valorizar mais, largará na frente”.

Num primeiro momento, lembra Marcelo, aos olhos da famosa regra de “Oferta e Demanda”, as empresas levam vantagem: “mão de obra disponível, economia em fase de reconstrução e consumo voltando. A médio prazo, acreditando que toda queda rápida volta também ao normal com agilidade, são as pessoas (colaboradores e candidatos) que terão o poder nas mãos de escolherem onde trabalhar”.

“Responsabilidade social, sustentabilidade e inclusão que já não eram há tempos somente um termo bonito dentro das empresas irão ganhar mais destaque do que nunca. Empresas que nesse atual contexto conseguem manter o quadro de funcionários, produzem itens de higiene e equipamentos médicos para quem está na linha de frente do combate ao covid-19, ou fazem doações financeiras para ajudar as camadas mais necessitadas serão lembradas a ainda mais admiradas. As pessoas vão querer trabalhar lá e terão orgulho de divulgar. As empresas que serão escolhidas e não o oposto”, enfatiza ele, lembrando que essa é uma grande quebra de paradigma, que já estava acontecendo em alguns mercados, e deve ser expandida agora.

Para as empresas, sejam elas de pequeno, médio ou grande porte que, infelizmente, não conseguirem manter a atual estrutura, Marcelo dá uma dica: ajudar o colaborador demitido a se reposicionar na carreira: “organizar programas de recolocação profissional com consultorias especializadas, cursos de qualificação em um novo setor, carta de referência são alguns exemplos que podem servir de suporte técnico ou até mesmo emocional ao profissional que se teve que sair numa reestruturação vão proporcionar que as empresas saiam dessa crise mais humanizadas. Talvez seja a saída para se manter na dianteira”, finaliza ele. 

Quem é Marcelo Arone?

Fundador da OPTME, especializada em recrutamento e seleção para empresas 100% brasileiras e que estejam em processo de profissionalização, Marcelo Arone é formado em Comunicação e Marketing pela Faculdade Cásper Líbero, com especialização em Coach Profissional pelo Instituto Brasileiro de Coaching, com 18 anos de carreira em empresas nacionais e multinacionais. Já atuou na área de comunicação de empresas como Siemens e TIM, e no mercado financeiro, em empresas como UNIBANCO e AIG Seguros. Pelo Itau BBA, tornou-se responsável pela integração da área de Cash Management entre os dois bancos liderando força tarefa com mais de 2000 empresas e equipe de 50 pessoas. Desde então, se especializou em recrutamento para posições de liderança em serviços, além de setores como private equity, venture capital e empresas de Middle Market, familiares e brasileiras com potencial para investidores. Já entrevistou em torno de 8000 candidatos e atendeu mais de 100 empresas em setores distintos.

Mais informações:

OPTME Consultoria em RH | www.optme.com.br | Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Informações para a imprensa

Planta e Cresce | Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. | 11 2594-7891 e 11 99497-8523

A prefeita Mari Machado apresentou na tarde de hoje (16), em entrevista coletiva, as novas medidas estabelecidas no Decreto Municipal que entra em vigor nesta sexta-feira (17), válido por 20 dias. As ações foram apresentadas na data em que o Município completou 30 dias do primeiro caso confirmado de COVID-19 e de medidas restritivas de isolamento social.  

De acordo com Mari, o novo decreto considera que as medidas tomadas ao longo do último mês resultaram no achatamento da curva de casos, e cumpriram o papel de conscientização, somado as ações de fiscalização dos regramentos. 

A apresentação do novo decreto contou com a presença do secretário de Saúde, Sergio Aragon; da procuradora Carla Saraiva; do coordenador da Defesa Civil, José Fagundes; dos diretores da Santa Casa, Valmir Silveira e Dr. Juan Marcos e do pneumologista, Dr. Tiago Lopes.

As medidas flexibilizam atividades e serviços de forma excepcional e temporária, entre elas:
✅ A possibilidade de atendimento ao público nos empreendimentos comerciais, lojas, serviços de profissionais e autônomos, escritórios, imobiliárias e microempreendedores individuais, com fechamento estabelecido para às 18h;
✅ Os empreendimentos deverão obedecer as regras sanitárias e de higienização, incluindo o fornecimento de equipamentos de proteção individual para os funcionários, a realização de rodízio semanal e o distanciamento de um metro entre as pessoas. Os estabelecimentos também serão os responsáveis pelo fornecimento de álcool gel, e se possível, de máscaras para clientes;
✅ Também é de responsabilidade do lojista, a inibição da entrada de pessoas sem máscaras;
✅ Restaurantes, pizzarias e similares poderão atender somente no sistema "a la carte", com ocupação máxima de 50% de sua capacidade. Este tipo de empreendimento também poderá atender na modalidade "take-away", onde o cliente compra e leva o produto para ser consumido em casa. No entanto, a intenção é que as vendas por delivery sejam sempre priorizadas;
✅ O funcionamento do Centro Popular de Compras se dará com a abertura de metade das bancas, de forma intercalada - obedecendo a distância de 2 metros entre elas -, com a entrada de um cliente por banca por vez. Os clientes deverão ter álcool gel a sua disposição;
✅ Atividades de fisioterapia e pilates serão permitidas desde que promovam atendimentos individuais;
✅ Clubes sociais e de serviço deverão obedecer as mesmas regras dos demais estabelecimentos, mantendo apenas as atividades administrativas. Práticas de esportes individuais estão permitidas nos clubes, desde que não haja aglomeração e torcidas.

Demais serviços liberados nos decretos anteriores continuam inalterados. Em relação aos serviços considerados essenciais, o novo decreto inclui serviços médicos (como consultórios, clínicas de saúde e laboratórios) e os serviços das secretarias municipais de Administração e da Fazenda. Permanecem proibidas a realização de confraternizações, circulação de transporte turístico, atividades de ensino presenciais, atividades culturais, funcionamento de academias e serviços de buffet.

No transporte coletivo, permanece suspensa a gratuidade dos idosos até o dia 30 de abril. Com a flexibilização no comércio, o transporte volta a ser oferecido de segunda a domingo, devendo voltar ao horário normal de atendimento, mas obedecendo o limite de lotação de 50% da capacidade dos veículos, do uso de máscaras pelos usuários. 

Mari ainda frisou que todos os estabelecimentos autorizados na flexibilização deverão atender as medidas de higienização e só deverão autorizar a entrada de pessoas com máscara, sendo responsabilizados pelo cumprimento desta norma. De acordo com o pneumologista Tiago Lopes, o Município obteve exito com medidas eficazes e encontra-se em "relativa estabilização". O pneumologista destacou ainda que é importante que a população entenda que a flexibilização não representa o fim de um processo, mas a continuidade de uma nova fase que terá seus desdobramentos acompanhados de perto, sem descartar que um novo momento de restrição possa acontecer futuramente.

Fonte: ASCOM

Em nova demonstração de solidariedade com quem vive momentos de dificuldade em função da quarentena para contenção da pandemia do Coronavírus, o Tricolor lança nesta quarta-feira, 15, o Grêmio em Ação, projeto de captação e doação de alimentos não-perecíveis, materiais básicos de higiene e saúde às comunidades carentes dos bairros Humaitá, Farrapos e Navegantes. A iniciativa, operacionalizada pelo Departamento de Responsabilidade Social, tem como objetivo centralizar o atendimento às famílias que vivem em situação de vulnerabilidade numa das áreas mais necessitadas de Porto Alegre, cujo sustento depende de atividades informais, paralisadas durante o período de isolamento social.

 A dinâmica da ferramenta consiste em mapear as necessidades mais urgentes e disponibilizar contribuições entre R$5,00 a R$50,00. A verba arrecadada será destinada a entidades assistenciais que atendem a região, para aquisição de itens de primeira necessidade.

Os repasses serão semanais, respeitando o fluxo de recebimento conforme a forma de contribuição escolhida.  Os pagamentos podem ser realizados com cartão de débito, crédito ou boleto bancário. No próprio link será apresentado o saldo das doações e relatórios quinzenais com os valores recebidos. 

A plataforma de contribuição e doação Grêmio em Ação é desenvolvida pela 4all, parceiro tecnológico do Clube.

Acesse clicando aqui.

Fonte: https://gremio.net/

A primeira etapa da pesquisa por amostragem para projetar o percentual da população do Rio Grande do Sul infectada pelo novo coronavírus estima que 5.650 pessoas já estejam contaminados pela Covid-19. As projeções levam em conta o resultado de 4.189 testes aplicados em nove cidades de diferentes regiões e apontam para uma relação de um caso para cada grupo de 2 mil habitantes.

O estudo inédito encomendado pelo governo do Estado e coordenado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) terá outras três fases com o objetivo de identificar a prevalência da Covid-19 e projetar incidência de casos mais graves e até o grau de letalidade da doença.

Os resultados dessa primeira rodada foram apresentados nesta quarta-feira (15/4), durante entrevista coletiva de imprensa do governador Eduardo Leite, realizada no Palácio Piratini. Dos testes aplicados entre sábado (11/4) e segunda-feira (13/4), dois casos deram positivo para a Covid-19, o que representa 0,05%.

As nove cidades onde foram realizadas as coletas, incluindo Porto Alegre, representam 31% da população gaúcha (11,3 milhões de habitantes). O estudo reflete uma realidade do avanço da doença de duas semanas atrás.

A pesquisa mostra também que, para cada diagnóstico do coronavírus nesses municípios, existem outros quatro casos não notificados. Na virada do mês, o RS tinha 389 casos confirmados (em 1°/4). Pelo último boletim, o Estado já registra 747 pessoas com a doença, com 19 óbitos (dados da Secretaria da Saúde até 14h desta quarta, dia 15/4).

“Mesmo sendo números preliminares de uma primeira etapa de pesquisa, os resultados demonstram claramente que as medidas de isolamento social estão sendo fundamentais em conter o ritmo do avanço”, destacou Leite.

PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 15/04/2020 - O governador Eduardo Leite anunciou, nesta quarta-feira (15/4), em coletiva de imprensa no Palácio Piratini, os resultados da pesquisa para detecção da Covid-19 e as novas medidas de enfrentamento no RS. Fotos: Gusta
Em razão de orientação para manter o distanciamento social, houve número limitado de presentes na entrevista no Piratini - Foto: Gustavo Mansur / Palácio Piratini

O governador aguardava as estimativas da pesquisa para, ao lado de outros indicadores, avaliar eventuais alterações nas determinações que restringem a movimentação de pessoas nas ruas. “Não queremos perder ninguém, não interessa a idade. Não podemos admitir perder qualquer vida”, afirmou.

Responsável por coordenar o trabalho da epidemiologia do Covid-19, o reitor da UFPel, Pedro Curi Hallal, fez a divulgação dos resultados da pesquisa. Ele estabeleceu um comparativo sobre o comportamento da pandemia em outros países e a situação do RS retratada no estudo. “A pesquisa ainda se baseia numa amostragem pequena, o que exige maior cuidado com interpretações sobre as estimativas. Nas próximas rodadas teremos um cenário mais claro”, ponderou na apresentação.

Para Hallal, até agora, as políticas públicas adotadas se baseiam apenas na ponta do iceberg. “Os casos que chegam ao sistema de saúde, que acabam sendo testados, especialmente as pessoas com sintomas mais graves, escondem todo o restante do iceberg que está submerso e que é tão necessário para enfrentarmos a epidemia de forma adequada”, destacou.

O estudo vem mobilizando um grupo de especialistas de outras universidades federais e privadas do RS. A ideia surgiu nas discussões do Comitê de Análise de Dados sobre a pandemia, instituído há poucos dias pelo governador, e que tem no comando a secretária de Planejamento, Orçamento e Gestão, Leany Lemos.

“É importante reunirmos o maior volume de informações para que o governo defina suas ações com base em evidências científicas. Já vínhamos trabalhando com outros cenários estatísticos, mas estamos aprimorando o trabalho para melhor orientar a população”, acrescentou Leany Lemos. “Tomaremos decisões baseadas na ciência, não em suposições ou especulações. A partir desse estudo, poderemos alimentar projeções corretamente, e acompanharemos a evolução da epidemia, por meio da pesquisa, ao longo de dois meses.”

Pesquisa de campo

O Ministério da Saúde enviou 20 mil kits para viabilizar a aplicação dos testes e já programa replicar o mesmo estudo no restante do país. Seguindo critérios do IBGE sobre o perfil populacional, nessa primeira rodada foram testadas 500 pessoas em cada uma das seguintes cidades: Pelotas, Uruguaiana, Ijuí, Caxias do Sul, Passo Fundo e Santa Cruz do Sul. Em Canoas foram 332 testes, Porto Alegre teve 396 coletas e Santa Maria atingiu 461 pesquisados. A próxima etapa está prevista para ocorrer entre os dias 25 e 27 deste mês.

A pesquisa mobiliza uma rede de 11 universidades federais e privadas: Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí), Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Universidade Federal do Pampa (Unipampa/Uruguaiana) e Universidade de Caxias do Sul (UCS), Imed Passo Fundo, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS/Passo Fundo) e Universidade de Passo Fundo (UPF). O estudo tem um custo estimado em R$ 1 milhão e tem o apoio da Unimed Porto Alegre, do Instituto Cultural Floresta, também da capital gaúcha, e do Instituto Serrapilheira, do Rio de Janeiro.

Números da pesquisa:

• Para cada 1 milhão de habitantes no RS, estima-se que existam 500 infectados reais, 65 notificados e 1,2 óbito.

• Para cada caso notificado nas nove cidades da pesquisa, existem cerca de quatro casos não notificados.

• No dia 1° de abril, o RS tinha 384 casos confirmados. O resultado da pesquisa demonstra que o contágio é 15 vezes o número de casos confirmados ou 11 vezes o número de casos coletados.

Clique aqui e confira a apresentação sobre o estudo de prevalência da Covid-19 no RS.

Texto: Suzy Scarton e Pepo Kerschner/Ascom Seplag
Edição Marcelo Flach/Secom

Foto: Gustavo Mansur / Palácio Piratini

A segunda etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza (A-H1N1, A-H3N2 e Influenza B), começa na quinta-feira (16). Esta nova fase é destinada a doentes crônicos, pessoas privadas de liberdade, funcionários do sistema prisional, forças de segurança e salvamento, caminhoneiros/motoristas de transporte coletivo e portuários. A identificação dos profissionais de segurança fica a cargo da organização de cada município durante a campanha.

Nos municípios do Rio Grande do Sul esta nova fase começa com a aplicação de 90% das 272 mil doses de vacinas recebidas do Ministério da Saúde no quinto lote deste ano. A próxima remessa será de 284 mil doses de vacinas sendo encaminhadas às 19 Coordenadorias Regionais (CRSs) a partir de sexta-feira, dia 17 de abril.

A última e terceira etapa, começa no dia 9 de maio. Os grupos prioritários serão crianças de seis meses a menores de seis anos, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), povos indígenas, adultos de 55 a 59 anos de idade e pessoas com deficiência e professores.


Balanço da primeira etapa

Um balanço sobre a primeira fase da Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza no estado foi feito pelo governador Eduardo Leite, em transmissão pela internet, nesta terça-feira (14). O governador informou que na primeira fase da campanha, 86% do grupo dos idosos já foi imunizado, o equivalente a 1,2 milhão de pessoas. Ele também disse que 84% da população estimada de profissionais de saúde, cerca de 260 mil pessoas receberam a vacina. No total, até hoje, 14 de abril, aproximadamente 1,5 milhão de doses já foram aplicadas no RS.

A campanha começou em 23 de março. Idosos que não puderam comparecer nos postos de vacinação na primeira fase ainda podem procurar a vacina nos postos de suas cidades.

A secretária da Saúde, Arita Bergmann, avaliou como positiva a grande procura dos idosos pela vacinação. Ela também aprovou o comportamento da maioria das pessoas, cuidando o distanciamento e demais atitudes da etiqueta de defesa ao contágio do coronavírus.

 

Assessoria de Comunicação Social - SES/RS

Página 7 de 421
Topo