Gisnei

Gisnei

As micro e pequenas empresas foram responsáveis por 75% das novas vagas de trabalho registradas em setembro. Segundo levantamento feito pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), negócios de pequeno porte geraram 119 mil dos mais de 157 mil postos de trabalhos com carteira assinada registrados no mês anterior.

O número superou em 20% o saldo de agosto e em 23% o do mesmo mês de 2018. Para meses de setembro, o total representa o melhor resultado desde 2013.

Realizado com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia, o levantamento apontou que, no acumulado do ano, os pequenos negócios geraram mais de 670 mil vagas com carteira assinada, resultado 10% acima do igual período do ano passado.

As médias e grandes empresas (MGE) geraram 37,7 mil empregos, e a administração pública contribuiu com 492 postos de trabalho em setembro. No total, 157.213 vagas foram geradas no país no mês passado, de acordo com o Caged.

“Por setor, sobressaíram na geração de empregos, uma vez mais, as micro e pequenas empresas da área de serviços, com a criação de praticamente 53 mil postos de trabalho, com destaque para aquelas que atuam na comercialização e administração de imóveis (21,2 mil empregos) e de alojamento e alimentação (16 mil vagas). Os pequenos negócios do comércio também se destacaram com a geração de 29 mil postos de trabalho”, informou o Sebrae.

De acordo com o Sebrae, no acumulado deste ano até setembro, os pequenos negócios do setor de serviços puxaram a geração de empregos no país, criando mais de 382,5 mil novas vagas. O montante representa 57% do total de postos de trabalho com carteira assinada em 2019. O destaque fica com as micro e pequenas empresas da construção civil, com 109,6 mil novas contratações.

“O saldo de empregos criados pelos pequenos negócios no acumulado deste ano até setembro já supera o saldo de todo o ano de 2018 e retoma os saldos verificados nos anos anteriores à recessão econômica, ocorrida em 2015 e 2016. Os números comprovam que o Brasil está avançando economicamente, e as pequenas empresas são protagonistas nesse processo”, avaliou o presidente do Sebrae, Carlos Melles.

Entre as unidades da federação, São Paulo foi o estado com maior geração de empregos nas micro e pequenas empresas em setembro, criando mais de 29,7 mil postos de trabalho, 25% do total em todo o país, seguido pelo Rio de Janeiro, com quase 14 mil vagas. Os números colocam a Região Sudeste como a que mais gerou contratações no período, com 53 mil empregados. Em seguida vem o Nordeste, com a abertura de 23,4 mil vagas.

Edição: Wellton Máximo

A Advocacia-Geral da União (AGU) elaborou um parecer a favor do compartilhamento de dados sigilosos da Receita Federal com a Controladoria-Geral da União (CGU) e o Tribunal de Contas da União (TCU) para realização de auditorias e inspeções.

O parecer servirá para uniformizar o entendimento jurídico em toda a administração pública e deve pacificar a questão sobre o intercâmbio de informações para fiscalização fiscal. O documento foi publicado ontem (18) em edição extraordinária do Diário Oficial da União.

Pelo entendimento da AGU, não é necessária autorização judicial para que os órgãos de controle possam cumprir as funções de fiscalização. “As autoridades e os agentes fiscais tributários da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios somente poderão examinar documentos, livros e registros de instituições financeiras, inclusive os referentes a contas de depósitos e aplicações financeiras, quando houver processo administrativo instaurado ou procedimento fiscal em curso e tais exames sejam considerados indispensáveis pela autoridade administrativa competente”, destaca o parecer.

O documento também deixa claro que as informações não podem ser utilizadas para embasar abertura de investigação criminal contra os contribuintes e devem ficar restritas aos órgãos de controle.

“Os órgãos federais de controle externo e interno [TCU e CGU] podem ter acesso a informações protegidas pelo sigilo fiscal, se e quando tais informações tiverem pertinência temática com o objeto da auditoria ou inspeção e se revelarem necessárias e indispensáveis ao desempenho de suas competências, de forma justificada, em procedimentos que tenham sido regularmente instaurados, com escopos delineados, e com uso de tecnologia que garanta controles de segurança, registro de acessos e rastreabilidade”, acrescenta o texto.

O parecer foi motivado por uma consulta do Ministério da Economia. A pasta pretendia revisar um parecer aprovado em 1996, cujo texto impedia compartilhamento de alguns dados da Receita Federal com órgãos de controle sem autorização judicial.

Outra polêmica envolvendo o compartilhamento de dados fiscais deve ser resolvida em novembro pelo Supremo Tribunal Federal (STF). No próximo mês, a Corte deve definir se o Ministério Público pode obter dados bancários e fiscais da Receita Federal sem autorização judicial. Em todo o país, procuradores usam o procedimento de compartilhamento de dados com o Fisco para embasar investigações criminais.

Edição: Wellton Máximo
 
Marcello Casal JrAgência Brasil

O Grêmio entrou em campo na Arena Castelão, para enfrentar o Fortaleza, em partida válida pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro. Com um time alternativo, o Tricolor acabou superado pelo placar de 2 a 1.

O jogo começou favorável para os gremistas que antes dos dez minutos conseguiram abrir o marcador. Primeiro, ameaçaram com um chute de fora da área de Michel, mas a bola saiu à esquerda do gol. Depois, na segunda finalização, aos 9 minutos, em cobrança de falta próximo a risca da grande área, Galhardo colocou no primeiro poste e Paulo Miranda, de peixinho completou para o fundo das redes, abrindo o placar.

Outra oportunidade gremista saiu aos 24’, quando Thaciano puxou um contra-ataque e fez um cruzamento na área buscando Pepê, mas a zaga cortou. Em resposta, no minuto seguinte, o Fortaleza também teve uma boa chance em cobrança de falta; a bola foi colocada na área, mas a barreira fez o corte.

Mas o Fortaleza reagiu e aos 34’, empatou o jogo com Wellington Paulista, que se antecipou a David Braz e recebeu o cruzamento de Romarinho, mandandando no canto direito de Phelipe, marcando para o time cearense. 

Na reta final do primeiro tempo, aos 40 minutos, os donos da casa viraram o placar. Wellington Paulista cruzou da direita na área e Osvaldo apareceu, mandando de primeira para o gol, sem chances de defesa de Phelipe.

Aos 3 minutos da etapa complementar, Galhardo cobrou uma falta, colocando a bola na área, mas a defesa desviou para escanteio. Na cobrança, o lateral colocou na pequena área, a bola ficou viva e André completou para o gol, mas a arbitragem já tinha assinalado falta de ataque do Tricolor.

Com 8’, uma grande chance gremista, com uma baita jogada de Pepê, que driblou três marcadores e finalizou a gol, obrigando o goleiro Felipe a fazer grande defesa.

Aos 23’, o Grêmio chegou com Everton, que passou pela marcação de Gabriel Dias e chutou cruzado, mas o goleiro adversário conseguiu defender bem.

Respondendo aos ataques gremistas, com 30’, Kieza invadiu a área e mandou forte ao gol obrigando Phelipe a espalmar para escanteio.

Aos 40’, o Grêmio teve uma chance em bola parada. Galhardo colocou na área, Tardelli tentou desviar de cabeça e Paulão dividiu junto, mandando pela linha de fundo.

Nos minutos finais, a bola foi alçada na área e acabou sobrando para Rômulo, que de frente para o gol, finalizou, mas pegou muito mal e mandou por sobre a meta. E Galhardo acabou expulso após tomar um cartão amarelo e seguir reclamando com a arbitragem.

Com o resultado, o Tricolor não soma pontos na rodada.


Fotos: Jarbas Oliveira | Grêmio FBPA

O Governo Municipal finalizou a reforma da UBS Planalto e, nesta terça-feira (15), o prefeito Ico Charopen e o secretário municipal de saúde, Enrique Civeira, visitaram as instalações da Unidade. Na oportunidade, eles conversaram com os usuários da UBS, que destacaram sua satisfação pelas melhorias realizadas.

Foto: Assessoria de Comunicação Social || Fonte: Assessoria de Comunicação Social

O banco Pan ficou em primeiro lugar no ranking de reclamações contra instituições financeiras no terceiro trimestre, informou hoje (15), o Banco Central (BC). Foram consideradas as instituições com mais de 4 milhões de clientes.

No período, o BC recebeu 646 queixas consideradas procedentes contra o banco, sendo a maioria relacionada à “oferta ou prestação de informação a respeito de produtos e serviços de forma inadequada (125)”.

Para elaborar o ranking, as reclamações procedentes são divididas pelo número de clientes da instituição financeira que originou a demanda e multiplicadas por 1 milhão.

Assim, é gerado um índice, que representa o número de reclamações do banco para cada grupo de 1 milhão de clientes.

O resultado é, portanto, avaliado pela quantidade de clientes de cada instituição financeira. Com esse cálculo, o Pan ficou com índice 149,58.

Em segundo lugar nas queixas, vem a BMG, com índice 82,22 e 376 reclamações. E, em terceiro, o Bradesco, com índice 24,16 e 2.409 reclamações.

O banco Pan tem 4.318.631 clientes, o BMG, 4.566.863, e o Bradesco, 99.684.907.

Reclamações

No total, o Banco Central recebeu 12.837 reclamações contra todas as instituições financeiras.

A maioria das reclamações é relacionada com a oferta ou prestação de informação a respeito de produtos e serviços de forma inadequada (2.347) e irregularidades relativas à integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços relacionados a cartões de crédito (1.742).

Como reclamar

A insatisfação com serviços e produtos oferecidos por instituições financeiras pode ser registrada no BC e as reclamações ajudam na fiscalização e na regulação do Sistema Financeiro Nacional.

Quando a reclamação chega ao Banco Central, ela é encaminhada para a instituição financeira, que tem prazo de 10 dias úteis (descontados sábados, domingos e feriados) para dar uma resposta, com cópia para o BC.

Entretanto, o BC recomenda que a reclamação seja registrada, primeiramente, nos locais onde o atendimento foi prestado ou no serviço de atendimento ao consumidor (SAC) do banco.

Se o problema não for resolvido, o cliente pode recorrer à ouvidoria da instituição financeira, que terá prazo de até 10 dias úteis para apresentar resposta.

Os clientes bancários também podem buscar atendimento no Procon e recorrer à Justiça.

O banco Pan informou, em nota, que “tem se destacado na efetiva adoção de medidas concretas para a melhoria e modernização de produtos, processos e qualidade do atendimento ao consumidor, tendo sido pioneiro entre os bancos na criação do serviço “Não Me Ligue” e na mobilização do setor, que culminou na Convenção de Autorregulação do Crédito Consignado, implementada pela Febraban [Federação Brasileira de Bancos] e ABBC [Associação Brasileira de Bancos] para a adoção de medidas que visam à redução de reclamações de clientes”.

O Bradesco disse, em nota, que reduzir os índices de reclamação é objetivo permanente do banco, “assim como oferecer um atendimento de qualidade a todos os clientes e usuários”. “O banco desenvolve um extenso programa de análise da origem das manifestações de seus clientes e usuários. Esse trabalho é realizado juntamente com os gestores de produtos, processos e serviços e vem produzindo melhorias na solução e redução das manifestações. Além disso, entre outras ações adotadas estão os constantes investimentos em treinamento do quadro de colaboradores e em infraestrutura. É importante ressaltar que o Bradesco tem uma posição de respeito absoluto ao cliente e aos seus interesses", afirmou.

Procurado, o BMG ainda não se manifestou sobre o assunto.

*Texto atualizado às 12h43 para acréscimo de informações. Atualizado às 17h57 para inclusão de posicionamento de bancos citados

 

Edição: Valéria Aguiar
 
Por Kelly Oliveira - Repórter da Agência Brasil 
 
 
Marcello Casal JrAgência Brasil

O Palácio Piratini, em Porto Alegre, recebeu a terceira reunião do Fórum Nacional de Secretários de Habitação e Desenvolvimento Urbano em 2019. A atividade, promovida em conjunto com a Associação Brasileira de Cohabs e Agentes Públicos de Habitação (ABC), teve como anfitrião, nesta segunda-feira (14/10), o secretário de Obras e Habitação, e vice-presidente do FNSHDU, José Stédile. Presentes secretários e gestores de habitação de dez Estados.

A possibilidade de atuação das companhias, agências e Secretarias de Habitação na condição de tomadores diretos de recursos do FGTS esteve entre as principais pautas debatidas.

Conforme o presidente do fórum e secretário de Habitação de São Paulo, Flávio Amary, a troca de experiências é essencial para o aperfeiçoamento da política habitacional. “O objetivo é compartilhar ideias, experiências e alternativas e aprendermos uns com os outros. A união, a integração e o entrosamento são fundamentais para o sucesso das nossas pautas”, destacou.

Durante a atividade, cada secretário relatou as ações desenvolvidas para promoção da habitação na esfera estadual e apresentou um diagnóstico da realidade atual, com destaque para áreas à espera da regularização fundiária.

O trabalho conjunto entre as prefeituras e as cooperativas habitacionais, segundo o secretário Stédile, é uma das diretrizes da gestão no Rio Grande do Sul. “Se conseguirmos concluir as obras em andamento haverá a entrega de unidades habitacionais em todas as regiões. Em boa parte delas o governo do Estado já quitou a sua parte”, disse, em relação à iniciativa que depende dos repasses do governo federal, atualmente em atraso.

secretario stédile sop
Stédile destacou o trabalho conjunto entre prefeituras e cooperativas habitacionais realizado no RS - Foto: Saul Teixeira / Ascom SOP

O titular da pasta também destacou o censo habitacional, levantamento pioneiro desenvolvido pela gestão. “Atualmente são 3.825 loteamentos irregulares nos 125 municípios mais populosos do Estado. Chegaremos a cerca de 6 mil loteamentos irregulares. É preciso conhecer a realidade para avançarmos nas políticas públicas”, disse, lembrando que alguns municípios da região metropolitana contam com cerca de 70% das moradias irregulares. “A regularização fundiária trará benefícios a todos. Para a prefeitura, que recolherá IPTU e, principalmente, para as famílias que terão a escritura do imóvel. É um investimento que transformará a vida das pessoas”, explicou.

Stédile citou ainda a parceria que será promovida com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) e outros centros acadêmicos para treinar líderes comunitários visando as regularizações por meio da aplicação da lei do Reurb (Regularização Fundiária Urbana). “Além da regularização, é fundamental investirmos na infraestrutura das localidades”, disse, fazendo referência a outra meta da gestão 2019-2022.

Estiveram presentes no encontro representantes da Bahia, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Piauí, São Paulo e Santa Catarina, bem como a presidente da ABC, Maria do Carmo Lopes, além dos diretores de Habitação da SOP, Albano Gaddo, e de Regularização Fundiária e Reassentamento, Letícia Gomes.

Texto: Saul Teixeira/Ascom SOP 
Edição: Secom

Foto: Saul Teixeira / Ascom SOP

Com os retornos de Everton, Matheus Henrique e Kannemann, o Grêmio treinou nesta manhã no CT Luiz Carvalho e Renato encaminhou o time que recebe o Bahia, às 19h15 de quarta-feira, na Arena. Ainda que com portões fechados e ambiente de mistério, o time está praticamente definido, com a volta dos três selecionáveis e do atacante Diego Tardelli. O confronto será o último grande teste antes da decisão contra o Flamengo, na próxima semana.

A atividade desta terça foi a única de todos os atletas antes do jogo, uma vez que quem jogou em Belo Horizonte contra o Atlético fez apenas trabalhos de recuperação depois do desembarque, na segunda-feira. Tendo o grupo inteiro à disposição, Renato deve promover cinco alterações em relação ao time que venceu os mineiros por 4 a 1: na defesa, entram Léo Moura e Kannemann, no meio-campo, Matheus Henrique retoma sua posição e, na frente, Everton e Diego Tardelli substituem Pepê e André. Dessa forma, o provável Tricolor tem Paulo Victor; Léo Moura, Geromel, Kannemann e Cortez; Matheus Henrique, Maicon, Alisson, Luan e Everton; Tardelli. A escalação será confirmada somente uma hora antes do jogo, uma vez que quando os portões foram abertos à imprensa os atletas estavam participando do recreativo. Geromel, Alisson e Kannemann não participavam do rachão, mas não têm qualquer problema físico comunicado pelo Clube.

Depois da atividade, Léo Moura concedeu entrevista coletiva e projetou o confronto contra os baianos. Os clubes se enfrentaram três vezes na temporada, com uma vitória pra cada lado e um empate. Na Copa do Brasil, o Tricolor eliminou o Bahia na fase de quartas de final. Preservado no final de semana, o lateral é uma das atrações nesta quarta e deve estar em campo contra o Flamengo. Os jogadores já se dirigiram à concentração, onde permanecem até a saída para a Arena.

Grêmio e Bahia será o último teste da equipe titular antes do jogo contra o Flamengo, dia 23. Já na quinta-feira a delegação parte em voo fretado para Fortaleza, onde no sábado enfrenta o time homônimo - possivelmente com time alternativo. Após a partida, ainda no sábado, o grupo vai para o Rio de Janeiro e inicia os treinamentos para o jogo do Maracanã, em busca de uma vaga à final da Conmebol Libertadores.

Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA

Com mais opções para o resgate, associados da instituição financeira cooperativa terão mais facilidade para trocar pontos por produtos; mudança acompanha bom momento do segmento de programas de recompensa, que cresceu 13,7% em 2018

O Sicredi – instituição financeira cooperativa com mais de 4 milhões de associados e atuação em 22 estados brasileiros e no Distrito Federal – desenvolveu uma plataforma digital para aprimorar o Programa de Recompensas dos Cartões Sicredi e oferecer ainda mais opções de resgate de pontos. Agora, os associados podem acessar o programa via plataforma online (sicredi.com.br/programaderecompensas).

A grande novidade é que o associado poderá fazer o resgate de pontos por diversas opções de produtos a qualquer momento em um único canal online, além de ter disponível a transferência de pontos na Central de Atendimento para os parceiros do programa de recompensas. Na plataforma online do Programa, os associados também poderão completar o valor correspondente ao produto utilizando o Cartão Sicredi, caso a pontuação não seja suficiente para realizar a troca.

Outra novidade é que está disponível o Cashback em Fatura, que permite ao associado trocar seus pontos por um desconto em fatura. “O Sicredi vive um momento de transformação digital e todas as nossas áreas estão passando por mudanças que vão trazer ainda mais agilidade, segurança e praticidade para o dia a dia dos nossos associados”, explica Gisele Rodrigues, superintendente de Planejamento e Controle de Produtos do Sicredi.

O Programa de Recompensas dos Cartões Sicredi tem mais de 12 anos e mantém parceria com três empresas de programa de fidelidade. Com a nova plataforma, o serviço concede aos titulares dos cartões Sicredi participantes pontos que podem ser trocados por diversas opções de produtos e serviços como eletrodomésticos, celulares, diárias em hotéis e passagens aéreas, entre outros.

Segundo Gisele, a modernização do Programa de Recompensas dos Cartões Sicredi, além de proporcionar aumento na satisfação, na autonomia e na fidelidade do associado, também tem relação com o bom momento que o segmento de programas de fidelidade vive no Brasil.

De acordo com dados da Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF), foram emitidos 149,7 bilhões de pontos e milhas no primeiro semestre de 2019, o que representa um aumento de 9,4% em relação ao mesmo período do ano passado. Já o total de pontos e milhas resgatadas subiu 10,8%, passando de 117,0 bilhões no primeiro semestre de 2018 para 129,7 bilhões nos seis primeiros meses desse ano. Ainda segundo a ABEMF, o número de cadastros em programas de fidelidade também aumentou em todo o Brasil, alcançando cerca de 132 milhões, ao fim do primeiro semestre de 2019, um crescimento de 9,4% comparado com o mesmo período do ano anterior.

Sobre o Sicredi

O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.700 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br).

*Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

Por: 

Daniela Reginato Mafaldo

Assistente de Comunicação e Marketing

Área de Relacionamento 

A concorrência pode ajudar a reduzir os custos de tratamento com medicamentos biológicos, afirma o médico oncologista Stephen Stefani. Ele publicou neste ano, junto com outros cinco especialistas, um artigo sobre o acesso à tecnologia de ponta em tratamentos contra o câncer na The Lancet, revista científica do Reino Unido. “Ter mais do que um fornecedor no mercado gera necessidade de criatividade dos fornecedores”, enfatizou ao palestrar sobre o tema em um workshop promovido pelo laboratório Libbs.

No caso dos medicamentos biológicos, desenvolvidos a partir de anticorpos e proteínas de animais e seres humanos, tem papel importante, segundo o médico, os biossimilares. Essas drogas são elaborados a partir de células, isolando as moléculas que produzem os efeitos desejados em cada caso. Os biossimilares são medicamentos que apresentam resultados equivalentes aos produtos originais.

“Só com a entrada de biossimilares no mercado, nós vamos ter reduções que vão variar de 20% a 40% do custo daquele tratamento”, enfatiza Stefani. Assim, de acordo com ele, é possível aumentar o acesso a esse tipo de tecnologia.

Mais eficientes

O médico explica que os medicamentos biológicos permitem, no caso de tratamentos de câncer, uma ação mais eficiente do que a quimioterapia convencional. A partir da identificação de determinadas moléculas, é possível fazer com que o sistema imunológico identifique e reaja às células do tumor, por exemplo. Uma ação menos agressiva que o tratamento químico, que acaba agredindo todo o organismo. “A gente não tinha como verificar aquela célula especificamente, e tinha que dar veneno para todo mundo”, ressalta.

Segundo Stefani, os resultados com esse tipo de droga têm se mostrado cada vez mais promissores. “Os resultados são tão impressionantes que a gente passou a curar tumores que não curava”, destaca. E, em breve, ele acredita que mais doenças serão tratadas dessa forma. “Tudo que nós estamos vendo em câncer hoje vai ser manchete para qualquer doença, e as mais frequentes, em muito pouco tempo”, acrescenta.

Custos elevados

No entanto, o especialista pondera que os custos da tecnologia de ponta são cada vez mais elevados, impactando os sistemas de saúde. Por isso, ele defende que seja feita uma discussão aberta sobre ra relação entre custo e benefício das novas drogas e da própria forma como são feitos os gastos, especialmente no sistema público de saúde. “Essa preocupação já chegou na agenda de países ricos”, diz.

Esses novos tratamentos chegam ao mercado, segundo o médico, com um valor médio de US$ 10 mil mensais. Nesse contexto, Stefani defende uma preparação do sistema de saúde que fuja das demandas judiciais que obrigam a oferta dos novos medicamentos apenas para os beneficiados pelas decisões de magistrados. “A judicialização é um veneno, porque privilegia quem sabe judicializar”, critica.

Biossimilar nacional

A fábrica do laboratório Libbs em Embu das Artes recebeu um financiamento de R$ 250 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para produzir nacionalmente um biossimilar equivalente a uma droga importada. A construção foi iniciada em 2013, sendo concluída em 2016. Depois de três anos de operação, a unidade recebeu em junho deste ano a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para o anticorpo rituximabe, indicado para tratamento de linfomas.

O projeto prevê ainda a transferência da tecnologia para o Instituto Butantã. A droga já está sendo produzida em escala industrial. Porém, até o momento as vendas têm atendido apenas o setor privado de saúde.

Segundo o diretor de negócios do laboratório, Marco Dacal, apenas o anúncio da entrada do medicamento no mercado nacional provocou uma queda de 22% no preço da droga de referência. O custo mensal do tratamento com os anticorpos obtidos por meio de clonagem fica em torno de R$ 6 mil.

Edição: Denise Griesinger
 
Por Daniel Mello – Repórter da Agência Brasil 
 
 
Foto: Fiocruz/Arquivo

Jovens que buscam aperfeiçoar as habilidades com instrumentos musicais ou prática coral terão mais uma oportunidade em 2019. A Escola de Música da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (Ospa) lança a partir desta segunda-feira, dia 14 de outubro, um novo edital para a seleção de até 69 novos alunos para o Conservatório Pablo Komlós em 2020.

As inscrições são gratuitas e devem ser realizadas on-line através do formulário disponível no site da Ospa. É obrigatória a leitura prévia do edital completo, também disponível no site da orquestra, onde está especificada a documentação que deve ser apresentada para a audição. O prazo final é 25 de outubro.

No início de 2019, 107 vagas foram abertas. Neste novo edital, 69 oportunidades são disponibilizadas. Na seleção de instrumentistas, o candidato deve ter, no mínimo, oito anos completos até o início do ano letivo de 2020 e estar comprovadamente matriculado no ensino regular ou ter concluído o Ensino Médio. O músico também deve ter o instrumento pertinente à vaga concorrida.

São disponibilizadas as seguintes modalidades:

- violino
- viola de arco
- violoncelo
- contrabaixo acústico tocado com arco
- flauta transversal
- oboé
- clarinete
- fagote
- trompa
- trompete
- eufônio
- tuba
- percussão
- prática coral

Para quem pretende integrar o Coro Jovem da Escola de Música da Ospa, é preciso ter entre 8 e 20 anos e, assim como os instrumentistas, estar comprovadamente matriculado no ensino regular ou ter concluído o Ensino Médio. A seleção nessa categoria disponibiliza vagas para estudantes de baixa renda e para pessoas com deficiência.

O local e o horário dos testes serão encaminhados por e-mail até 1º de novembro, após o encerramento das inscrições. O exame ocorre entre 11 e 22 de novembro. A seleção consiste em uma audição que irá determinar o desempenho musical do candidato, sob avaliação de músicos do Conservatório Pablo Komlós e da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre. Conforme o documento, é necessário ter domínio da execução do instrumento escolhido, da leitura de partitura musical e tempo disponível para ensaios, que iniciam em 2 de março. As peças que serão avaliadas para cada modalidade podem ser acessadas na ficha de inscrição.

Mais informações pelo telefone (51) 3228-6737 ou pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

A Escola de Música da Ospa 

Fundada em 1972, a Escola de Música da Ospa – Conservatório Pablo Komlós cumpre função fundamental para o fomento cultural no RS. Promove formação musical gratuita, voltada para músicos de orquestra, oferecendo oportunidade de profissionalização na área. Grande parte dos instrumentistas que hoje integram a Ospa estudaram na instituição, bem como muitos músicos que atuam em outras orquestras ou nas mais diferentes áreas da música, no Brasil e no exterior.

A escola, coordenada por Diego Grendene de Souza, atende em torno de 200 alunos. Todos os professores são instrumentistas da Ospa. Além disso, a instituição conta com grupos orquestrais, regidos por Arthur Barbosa e Wilthon Matos, e com um coro regido por Cosmas Grieneisen. Mantém projetos de inserção social como o Escola da Ospa na comunidade, que leva recitais de grupos de alunos em lugares como hospitais, escolas, lares de idosos e praças, e o Recitais na Biblioteca, que promove apresentações de estudantes avançados na Biblioteca Pública do Estado do RS.

Escola de Música da Ospa – Seleção de novos alunos
Período de inscrições: de 14 a 25 de outubro
Para mais informações, acesse o site da Ospa

Texto: Ascom Ospa
Edição: Secom

Foto: Itamar Aguiar / Palácio Piratini

Página 2 de 370
Topo