Gisnei

Gisnei

O Governo Municipal informa que a região Fronteira Oeste, a qual Livramento pertence, continua na bandeira laranja de acordo com o mapa de distanciamento controlado divulgado na noite da última sexta-feira(04), pelo Governo do Estado.

Com isso, seguem valendo as medidas adotadas no último Decreto Municipal.

Reforçamos o pedido para que a comunidade continue colaborando com as autoridades de saúde, utilizando máscaras regularmente, lavando as mãos com água e sabão, utilizando álcool gel e mantendo o distanciamento social.

O governo do Mato Grosso divulgou resultados das perícias em cinco áreas da região do Pantanal, ao sul do estado, onde ainda ocorrem incêndios florestais. Em nota, o governo afirma que há danos provocados por ação humana intencional.

De acordo com o Centro Integrado Multiagências de Coordenação Operacional (Ciman-MT), na Reserva Particular do Patrimônio Natural Sesc Pantanal (RPPN) – região de Barão de Melgaço, o incêndio foi provocado com o propósito de queimar a vegetação desmatada “para criação de área de pasto para gado.”

Em outro local, denominado Fazenda São José, o fogo começou por causa da “queima de raízes para o uso de fumaça a fim de retirar os favos de mel”, em uma área onde se costuma fazer extração de mel de abelhas silvestres.

A perícia diagnosticou também causas acidentais. Na Fazenda Espírito Santo, a máquina agrícola que fazia limpeza de área e juntava o material colhido para fazer feno “pegou fogo e começou o incêndio na região.”

Na Rodovia Transpantaneira, a causa do incêndio florestal foi um veículo que pegou fogo, após acidente no qual despencou do barranco próximo a uma ponte na estrada. Na Rodovia Helder Cândia, um cabo de alta tensão se rompeu e as faíscas provocaram o incêndio.

A apuração das razões dos incêndios havia sido prometida pelo governador de Mato Grosso, Mauro Mendes.

“A Secretaria estadual do Meio Ambiente tem tecnologias suficientes para identificar minuto a minuto o que acontece no estado de Mato Grosso. Uma região de incêndios dessa nós recuperamos as imagens do Sistema Planet, e nós vamos ter imagens que podem demonstrar quando o fogo começou, aonde ele começou, em que ponto começou”, disse Mendes após fazer vistoria aérea do local no dia 18 de agosto. 

De acordo com a Lei nº 9.605/1998, é crime “provocar incêndio em mata ou floresta” com pena de “reclusão, de dois a quatro anos, e multa”.

Operação Pantanal

Desde 5 de agosto, o Ministério da Defesa estendeu a Operação Pantanal que se dedicava ao combate aos incêndios no Mato Grosso do Sul para o Mato Grosso. Equipes e veículos das Forças Armadas, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), do Corpo de Bombeiros epanta brigadistas atuam no combate ao fogo.

Na última quinta-feira, 182 militares e 139 agentes atuaram contra três focos de incêndio em Porto Jofre e Hotel Pantanal Mato Grosso, no município de Poconé (MT). Eles também debelaram dois focos de incêndio nas localidades de Fazenda Santa Maria e Fazenda Rio Novo, em Barão de Melgaço.

Cerca de 1,7 milhão de hectares devem ter sido destruídos, no Mato Grosso, por causa de incêndios florestais. Além da ação humana, a vegetação seca e o calor potencializam o surgimento de focos de incêndio no estado.

Edição: Lílian Beraldo

O governo federal cobrou nesta sexta-feira (4) a retirada imediata do embargo temporário imposto pela República das Filipinas às importações de carne de frango originadas do Brasil. 

Segundo o governo filipino, o embargo foi decretado em razão de possível risco de contaminação de consumidores com o novo coronavírus. Atualmente,as Filipinas são o único país a manter restrição à carne de frango brasileira em razão do suposto risco de transmissão. No entanto, não foi apresentada evidência científica para justificar a decisão.

De acordo com nota conjunta dos ministérios das Relações Exteriores e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, há consenso entre a comunidade científica internacional, agências de classificação de risco e autoridades sanitárias no mundo, segundo o qual a covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus, não é transmissível pelo comércio de alimentos.

“O Brasil tem sempre colaborado de modo construtivo, aberto e transparente com seus parceiros comerciais e nações amigas, especialmente neste momento delicado de pandemia. Nesse espírito, as autoridades brasileiras atuaram rapidamente e responderam a todos os questionamentos das contrapartes filipinas, tendo fornecido documentação detalhada sobre regulamentação, orientações e protocolos cumpridos pelas empresas brasileiras do setor de alimentos”, argumenta o comunicado.

Segundo a nota, o embargo do governo filipino não seguiu os princípios, nem os ritos, necessários e mandatórios, previstos pela Organização Mundial do Comércio (OMC).

“No espírito de parceria, e com vistas à manutenção de um comércio de alimentos estável e seguro, o Brasil exorta, uma vez mais, o governo das Filipinas a remover imediatamente o embargo”, conclui o comunicado.

Edição: Nádia Franco

Depois de uma semana predominantemente laranja, o mapa do Rio Grande do Sul voltou a avermelhar nesta 18ª rodada do modelo Distanciamento Controlado. O mapa preliminar traz 12 regiões em bandeira vermelha (risco epidemiológico alto para Covid-19). As outras nove estão em bandeira laranja (risco epidemiológico médio).

Veja o mapa no site https://distanciamentocontrolado.rs.gov.br.

Capão da Canoa, Taquara, Novo Hamburgo, Canoas, Guaíba, Porto Alegre, Palmeira das Missões, Erechim, Santa Cruz do Sul, Lajeado, Santo Ângelo e Cruz Alta são as 12 regiões classificadas em vermelho nesta 18ª rodada.

É um cenário de piora dos indicadores em comparação com o resultado do mapa definitivo divulgado na segunda-feira (31/8), quando quatro regiões haviam sido classificadas em vermelho: Santo Ângelo, Cruz Alta, Ijuí e Santa Rosa. As regiões Covid de Capão da Canoa, Erechim, Palmeira das Missões, Cruz, Guaíba e Lajeado foram as que apresentaram piora mais significativa nos últimos sete dias.

Apesar da estabilização em vários indicadores gerais, o mapa preliminar teve ampliação do número de regiões com classificação de alto risco por conta do aumento de registros de novas internações confirmadas por Covid-19. Esse indicador, em particular, alcançou bandeira preta em algumas regiões. É caso das áreas de Lajeado, Santa Cruz do Sul, Palmeira das Missões, Taquara e Capão da Canoa, algumas delas também com piora no indicador que mede a proporção de casos da doença para cada grupo de 100 mil habitantes.

As regiões de Porto Alegre, Guaíba, Canoas e Novo Hamburgo aparecem novamente com bandeira vermelha, pois a macrorregião Metropolitana teve redução do número de leitos livres de UTI nesta última semana.

Desde a 14ª está vigente o modelo de cogestão, no qual as regiões Covid podem adotar protocolos menos restritivos à bandeira na qual estão classificados, mas no mínimo iguais à bandeira anterior. Para tanto, precisam elaborar planos estruturados próprios aprovados por no mínimo dois terços dos prefeitos e avalizados por uma equipe técnica.

Até as 18h desta sexta-feira (4/9), 16 regiões haviam aderido à cogestão: Capão da Canoa, Taquara, Novo Hamburgo, Canoas, Porto Alegre, Santo Ângelo, Cruz Alta, Ijuí, Santa Rosa, Palmeira das Missões, Passo Fundo, Pelotas, Caxias do Sul, Cachoeira do Sul, Santa Cruz do Sul e Lajeado. O pedido de cogestão de Erechim ainda está pendente.

Os documentos devem ser encaminhados para o Gabinete de Crise exclusivamente via formulário eletrônico, com no mínimo 48 horas de antecedência do início da vigência do plano, no endereço https://bit.ly/formulariocogestao.

O pedido de reconsideração à classificação da bandeira, que pode ser feito via associação regional ou pelo próprio município, também deverá ser encaminhado exclusivamente por meio de formulário eletrônico, no site https://forms.gle/VPTWHEJBCtZiaxN37, no prazo máximo de 36 horas após a divulgação do mapa preliminar – ou seja, até as 6h de domingo (6/9).

A adoção de protocolos alternativos não altera as cores do mapa definitivo, que será divulgado após análise dos recursos pelo Gabinete de Crise, na tarde de segunda-feira (7/9), por meio de matéria publicada no site do governo do Estado. A vigência das bandeiras da 18ª rodada começa à 0h de terça-feira (8/9) e se encerra às 23h59 de segunda-feira (14/9).

Municípios podem adotar bandeira laranja

Conforme o mapa preliminar da 18ª rodada, 261 municípios (do total de 497) estão classificados em bandeira vermelha, somando 6.739.455 habitantes, ou seja, 59,5% da população gaúcha (total de 11.329.605 habitantes).

Desses, 120 municípios (554.021 habitantes,4,9% do RS) podem adotar protocolos de bandeira laranja, porque cumprem os critérios da Regra 0-0, ou seja, não têm registro de óbito ou hospitalização de moradores nos últimos 14 dias, desde que a prefeitura crie um regulamento local.

• Clique aqui e acesse a lista dos municípios que se enquadram na Regra 0-0.

Alertas

Os indicadores mostram que houve elevado crescimento de novos casos de hospitalizações por Covid-19 nos últimos sete dias, por local de residência, nas regiões de Capão da Canoa (+171,4%), Erechim (+86,7%), Palmeira das Missões (+80%), Cruz Alta (+50%), Guaíba (33,3%) e Lajeado (33,3%).

DC semana18 mapa com regiões

RESUMO DA 18ª RODADA

Regiões que apresentaram piora (10)

LARANJA > VERMELHA
Capão da Canoa
Taquara
Novo Hamburgo
Canoas
Guaíba
Porto Alegre
Palmeira das Missões
Erechim
Santa Cruz do Sul
Lajeado

Regiões que apresentaram melhora (2)

VERMELHA > LARANJA
Ijuí
Santa Rosa

Regiões que permanecem iguais (2)

VERMELHA
Santo Ângelo
Cruz Alta

LARANJA 
Santa Maria
Uruguaiana
Bagé
Caxias do Sul
Cachoeira do Sul
Passo Fundo
Pelotas

COGESTÃO (16)
Capão da Canoa
Taquara
Novo Hamburgo
Canoas
Porto Alegre
Santo Ângelo
Cruz Alta
Ijuí
Santa Rosa
Palmeira das Missões
Passo Fundo
Pelotas
Caxias do Sul
Cachoeira do Sul
Santa Cruz do Sul
Lajeado

• Clique aqui e acesse a nota técnica com as justificativas de classificações das regiões.

DESTAQUES DA 18ª RODADA
• número de novos registros de hospitalizações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) de confirmados para Covid-19 aumentou 1% entre as duas últimas semanas (de 1.061 para 1.067);
• número de internados em UTI por SRAG reduziu 4% no Estado entre as duas últimas quintas-feiras (de 944 para 910);
• número de internados em leitos clínicos com Covid-19 no RS aumentou 10% entre as duas últimas quintas-feiras (de 850 para 935)
• número de internados em leitos de UTI com Covid-19 no RS reduziu 1% entre as duas últimas quintas-feiras (de 714 para 710);
• número de leitos de UTI adulto livres para atender Covid-19 no RS ficou estável entre as duas últimas quintas-feiras (de 597 para 598);
• número de casos ativos aumentou 33% entre as duas últimas semanas (de 7.382 para 9.799);
• número de óbitos por Covid-19 reduziu 3% entre as duas últimas quintas-feiras (de 327 para 317).

As regiões com maior número de novos registros de hospitalizações nos últimos sete dias, por local de residência do paciente, são Porto Alegre (286), Caxias do Sul (127), Passo Fundo (97), Canoas (84) e Pelotas (79).

Comparativo: situação entre 6 de agosto e 3 de setembro:
• número de novos registros de hospitalizações confirmados Covid-19 reduziu 17% no período (de 1.278 para 1.067);
• de internados em UTI por SRAG aumentou 1% no Estado no período (de 897 para 910);
• número de internados em leitos clínicos com Covid-19 no RS reduziu 4% no período (de 975 para 935);
• número de internados em leitos de UTI com Covid-19 no RS aumentou 1% no período (de 702 para 710);
• número de casos ativos aumentou 131% no período (de 7.454 para 9.799);
• número de leitos de UTI adulto livres para atender Covid-19 no RS reduziu 2% no período (de 608 para 598)
• número de óbitos por Covid-19 acumulados em sete dias reduziu 22% no período (de 406 para 317).

Clique aqui e acesse o levantamento completo da 18ª rodada do Distanciamento Controlado.

Texto: Suzy Scarton
Edição: Marcelo Flach/Secom

Na tarde desta terça-feira (1º), na BR 158 em Santana do Livramento, a Polícia Rodoviária Federal e o Exército Brasileiro, em ação conjunta, prenderam dois homens por porte ilegal de arma de fogo. Foram apreendidos dois revólveres roubados e munições.

Durante uma operação de combate ao crime, policiais rodoviários federais e militares abordaram um ônibus que transitava pela BR 158 fazendo a linha Santana do Livramento – Santa Maria. Durante a fiscalização, desconfiaram de dois homens que viajavam juntos, um deles sem documentos.

Na cintura do passageiro sem documentos, os agentes encontraram um revólver com seis munições, pronto para uso. Através da consulta aos sistemas, ele foi identificado. Era natural de Santa Maria, com 25 anos e antecedentes por roubo e posse de entorpecentes.

O outro homem, também natural de Santa Maria, com 27 anos, tentou esconder um revólver no banheiro do ônibus, mas foi flagrado pelos policiais. Ele possui antecedentes policiais por tráfico de drogas, homicídio, sequestro, roubo e porte ilegal de arma.

Fonte: PRF

A reforma administrativa apresentada hoje (3) pelo governo federal prevê a criação de novos tipos de vínculos e maior tempo para efetivação no cargo. Secretários do Ministério da Economia concedem neste momento entrevista coletiva sobre a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da Nova Administração Pública.

A matéria prevê a criação de novos vínculos. O regime jurídico único dará lugar a vínculos distintos. No ingresso por concurso público, haverá estabilidade após três anos para cargo típico de Estado e o cargo por prazo indeterminado. 

No ingresso por seleção simplificada, haverá vínculo por prazo determinado, que substituirá a contratação temporária, e ainda cargos de liderança e assessoramento, em substituição a cargos comissionados e funções gratificadas.

Estágio probatório

Segundo o ministério, o estágio probatório atual  é uma “mera formalidade”. No Executivo federal, o percentual de servidores desligados no período de estágio probatório (dado de 2016 até junho de 2019) é de 0,4%.

Na proposta, o estágio probatório cede lugar ao vínculo de experiência, que durará pelo menos dois anos. Essa etapa passa a fazer parte do concurso público em que não há direito automático ao cargo e os mais bem avaliados ao final do vínculo de experiência serão efetivados. Após o vínculo de experiência, haverá ainda um ano de experiência antes de o servidor passar a ter estabilidade.

Desligamento de servidor

O desligamento de servidor atualmente ocorre por sentença judicial transitada em julgado. Há ainda a possibilidade de desligamento por infração disciplinar, que não tem regulamentação. Segundo o Ministério da Economia, no governo federal, em 2018, foram desligados 388 servidores (0,07% da força de trabalho).

Para o ministério, o modelo atual é engessado, com “manutenção de servidores em atividades em que não há mais demanda e incapacidade de adaptações e ajustes”.

A proposta é que não será mais necessário aguardar trânsito em julgado para a demissão. Valerá também decisão judicial proferida por órgão colegiado. Será mantida a demissão por insuficiência de desempenho, que deverá ser regulamentada por lei ordinária e não mais por lei complementar. 

Outras hipóteses de demissão, para os cargos com prazo indeterminado, serão definidas em lei. De acordo com o ministério, não será permitida demissão arbitrária, por questões político-partidárias.

Acumulação de cargos

A PEC também prevê a simplificação das regras de acumulação de cargos, em que o servidor pode acumular mais de um cargo, observada compatibilidade de horário. A exceção é para o ocupante de cargo típico de Estado, em que será possível acumular cargo somente de docência ou na área de saúde.

Eliminação de benefícios

A proposta prevê a eliminação dos seguintes benefícios: licença prêmio (a cada cinco anos, três meses de licença - não existe no governo federal desde 1999); aumentos retroativos; férias superiores a 30 dias por ano; adicional por tempo de serviço (aumento automático do salário em 1% a cada ano); aposentadoria compulsória como punição; parcelas indenizatórias sem previsão legal; adicional ou indenização por substituição não efetiva (casos de sobreaviso, sem ocupação efetiva); redução de jornada sem redução de remuneração, salvo por saúde; progressão ou promoção baseada exclusivamente em tempo de serviço; e incorporação ao salário de valores referentes ao exercício de cargos e funções.

Novos princípios

O texto da emenda constitucional também altera o Artigo 37 da Constituição Federal e inclui nove novos princípios da administração pública. Assim, passam a figurar como princípios da administração pública a imparcialidade, a transparência, a inovação, a proporcionalidade, a responsabilidade, a subsidiariedade, a unidade, a coordenação e a boa governança. Eles se juntam aos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência.

A proposta também prevê que União, estados, Distrito Federal e municípios poderão cooperar com órgãos ou entidades públicas e privadas para prestar serviços, compartilhar recursos humanos e capacidade instalada.

Fases da mudança

A primeira fase das mudanças será por meio do Novo Regime de Vínculos e Modernização Organizacional da Administração Pública, com o envio da PEC ao Congresso Nacional. 

Depois serão necessários projetos de lei sobre gestão de desempenho; modernização das formas de trabalho; consolidação de cargos, funções e gratificações; arranjos institucionais; diretrizes de carreiras; e ajustes no Estatuto do Servidor. 

Na terceira fase, o governo enviará o Projeto de Lei Complementar (PLP) do Novo Serviço Público, com o novo marco regulatório das carreiras; governança remuneratória; e direitos e deveres do novo serviço público.

De acordo com o secretário especial adjunto da Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Gleisson Rubin, o envio desses projetos de lei pelo governo ao Congresso vai depender do ritmo de tramitação da PEC no Congresso Nacional. “Trata-se de questões novas que a PEC está trazendo.”

Autonomia

A proposta prevê ainda maior autonomia organizacional para o Executivo. O presidente da República poderá, se não houver aumento de despesa: extinguir cargos (efetivos ou comissionados), funções e gratificações; reorganizar autarquias e fundações; transformar cargos, quando vagos, mantida a mesma natureza do vínculo; reorganizar atribuições de cargos do Poder Executivo; extinguir órgãos. A criação de novos órgãos, entidades ou a transformação que resulte em aumento de despesa continua dependendo de aprovação pelo Legislativo.

Servidores atuais

A estabilidade dos servidores que já ingressaram no serviço público continua nos mesmos termos da Constituição atual. Os vencimentos dos servidores atuais não serão reduzidos.

*Matéria alterada às 13h55 para acréscimo de informações

Edição: Kleber Sampaio

A Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) anunciou nesta quinta (3) que o Troféu Brasil de Maratonas Aquáticas foi marcado para o dia 5 de dezembro na praia de Inema, na Bahia. Assim como na natação, que realizará o seu torneio entre 9 e 12 de dezembro na piscina olímpica do Vasco da Gama, o Troféu Brasil de Maratonas Aquáticas acontecerá de forma 100% presencial.

“É muito importante que tenhamos uma competição de alto rendimento em 2020. Os atletas profissionais disputarão uma vaga na seletiva olímpica. Então é primordial que eles tenham uma prova ainda neste ano para colocarem a competitividade em dia”, afirmou o diretor de Maratonas Aquáticas da CBDA, Sergio Silva.

“Será uma competição, que, esperamos, marque um recomeço da Maratona Aquática do Brasil. A segurança sempre foi uma das maiores preocupações da Maratona Aquática, agora, com a situação da pandemia, a atenção será redobrada e vamos conseguir fazer uma grande prova”, disse o presidente da Federação Baiana de Desportos Aquáticos, Diego Albuquerque.

Brasileiros em prova italiana

No próximo domingo (6), os maratonistas aquáticos Ana Marcela Cunha e Allan do Carmo participarão da Travessia Nápoles-Capri, prova com trajeto aproximado de 36 km.

Sem competir desde fevereiro, a dupla passou por três semanas intensas de treinamento em Portugal no projeto Missão Europa, do Comitê Olímpico do Brasil (COB). “Conseguimos nadar 275 km, uma média alta, para nos prepararmos para a prova em Capri. Foi um período importante não só para rodar, mas também para o descanso e a alimentação”, afirmou Ana Marcela, de 28 anos, que é a recordista da prova com o tempo de 6h24min.

Após essa prova, a dupla segue para outros compromissos. Em 12 de setembro estarão na Ilha da Madeira (Portugal) para uma travessia de 10 km. Já nos dias 26 e 27 participarão do Campeonato Francês em Jablines (França), em provas de 5 km e 10 km.

Edição: Fábio Lisboa

A intenção dos produtores do Rio Grande do Sul é semear 969.192 hectares (ha) de arroz na safra 2020/2021. O levantamento foi realizado pela Divisão de Assistência Técnica e Extensão Rural (Dater) do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga) a partir de informações coletadas com os orizicultores pelas equipes dos Núcleos de Assistência Técnica e Extensão Rural (Nates).

A projeção aponta para crescimento de 3,5% em relação à área de 936.316 ha colhida na safra 2019/2020. São 32.876 hectares a mais. Ainda de acordo com o levantamento, os municípios com maior intenção de área semeada de arroz são os seguintes:

• Uruguaiana, com 78.500 hectares;
• Santa Vitória do Palmar, 68.436 ha;
• Itaqui, 56.492 ha; 
• Alegrete, 54.837 ha.

Arroz safra 2021

Em relação à semeadura de soja em rotação com arroz, o levantamento do Irga projeta área de 353.731 ha, aumento de 20.937 ha em relação à safra anterior. Na soja, as intenções por regionais são as seguintes: Zona Sul, com 99.061 ha; Campanha, 86.483 ha; Planície Costeira Interna, 63.981; região Central, 37.797; Fronteira Oeste, 34.565; e Planície Costeira Externa, 31.844 ha.

“Apesar do preço do arroz registrar alta histórica, o arrozeiro está com intenção de área muito parecida com a safra anterior porque entendeu esse recado: para ser eficiente, para ter lucro, precisa ter planejamento e que seja muito bem executado”, afirma o diretor técnico do Irga, engenheiro agrônomo Ivo Mello.

Texto: Ascom Irga
Edição: Secom

Foto: Cleiton Ramão / Irga / Arquivo

Um sorriso pode melhorar o dia de muitas pessoas. O simples gesto tem uma relação direta com a autoestimabem-estar e conexão com as pessoas. Porém, alguns não conseguem sorrir de forma espontânea por não se sentirem confortáveis ou terem vergonha e, para aqueles em que a coloração dos dentes é um dos fatores desde incômodo, o clareamento pode ser uma alternativa. De acordo com o odontólogo do Sesc Centro, Vilmar Leandro Silva (CRO-RS 17639), são duas as opções disponíveis para recuperar a cor original dos dentes, o procedimento em consultório ou o com moldeiras, feito em casa.

Recomendado para quem tem dificuldade em manter uma disciplina e deseja um resultado mais rápido, o clareamento em consultório é realizado com uma concentração maior de produtos aplicados pelo profissional em um atendimento. Já para o uso de moldeiras (placas dentárias com o formato do paciente) e gel clareador, é necessário maior empenho do paciente por ser realizado em casa, com as instruções prévias do dentista, e tem duração de cerca de três semanas.

Os tratamentos podem gerar sensibilidade e, para minimizar esse efeito, Silva indica evitar alimentos e bebidas muito quentes ou muito frios, além de utilizar um creme dental apropriado para a limpeza bucal. Após os procedimentos é necessário evitar o consumo de alimentos e bebidas como café, chá, chimarrão, vinho e chocolates, o uso de tabaco e de enxaguantes bucais coloridos. “É importante escovar os dentes logo após as refeições e reforçar os cuidados com a higiene bucal. Quanto maior for a atenção com essa rotina e com a alimentação, mais duradouro será o efeito do clareamento”, destaca. Os resultados podem durar entre dois a cinco anos.

O Sesc/RS conta com atendimento odontológico em 30 unidades espalhadas pelo estado, além de clínicas móveis. Mais informações podem ser obtidas no site www.sesc-rs.com.br/saude/clinicas-odontologicas.

Sistema Fecomércio-RS/Sesc/Senac segue atendendo as recomendações de evitar aglomerações e com cuidado redobrado com a saúde das equipes e clientes. Por isso, a recomendação é que o público siga cumprindo as orientações dos órgãos de saúde. A programação on-line e gratuita segue sendo atualizada nas redes sociais e no site www.pertodevc.com.br.,

https://www.sesc-rs.com.br/

Foto: GettyImages

Com as restrições para viagens devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19), a maneira que a seleção brasileira de futebol feminino encontrou para aproveitar a próxima data Fifa, entre 14 e 22 de setembro, foi reunir o grupo para treinamentos na Granja Comary, em Teresópolis (RJ). Apesar de poder contar somente com atletas que atuam no Brasil, a técnica Pia Sundhage não se incomodou. Pelo contrário.

“Sou uma pessoa positiva, então, sempre vejo como positivo poder observar jogadoras mais jovens. Esperamos poder viajar em breve. Se não pudermos, faremos como agora. Sempre há como tirar o melhor proveito desses treinos e fazer algo diferente”, declarou a sueca, em entrevista coletiva transmitida pela CBFTV nesta quarta-feira (2).

A lista anunciada pela técnica tem 24 jogadoras, sendo que duas delas (as meias Yayá, do São Paulo, e Maria Eduarda, do Cruzeiro) normalmente são chamadas para a seleção sub-20. “[Convocá-las] é uma forma excelente de cooperarmos. Porque, no fim das contas, elas são preparadas para a seleção adulta. Enquanto isso, o Jonas [Urias, técnico da sub-20] também olha a equipe sub-17, da Simone [Jatobá]. Dá uma pequena misturada. Estou muito interessada em ver como as atletas mais jovens se ajustam ao jogo, pois a velocidade [no adulto] é diferente”, justificou Pia.

A treinadora sueca também explicou porque relacionou a atacante Chú, da Ferroviária, como defensora na convocação. “Para termos sucesso, precisamos tentar coisas novas. Lembro que, quando dirigi a seleção dos Estados Unidos, a Kelley O'Hara era atacante nos times universitários e tentamos fazer com que ela atuasse como lateral. Deu certo. Hoje, tentaremos isso com a Chú. Ela é uma jogadora extremamente veloz, vamos ver se dá certo”, argumentou, fazendo referência a uma jogadora bicampeã mundial e medalhista de ouro olímpica pelo time norte-americano.

Para convocar a seleção, Pia e a auxiliar Beatriz Vaz acompanharam, in loco, oito jogos das duas últimas rodadas da Série A1 do Brasileiro Feminino. Ela também esteve em treinos de algumas equipes ao longo da última semana. A técnica teve uma impressão positiva, do ponto de vista técnico, mas entende que os times do Brasil podem ter mais intensidade durante os 90 minutos.

“Estar ali [nos treinos] e falar com os técnicos e técnicas me deu mais informações sobre o jeito brasileiro. As melhores equipes têm intensidade muito boa nos treinos, mas o desafio é trazê-la para o jogo. É o que chamamos de desafiar a linha, aumentar o ritmo. O Lyon [da França, vencedor da Liga dos Campeões feminina], melhor time da Europa, é muito bom nisso. Esse é o nível que queremos alcançar”, concluiu.

Pia assumiu a seleção em 30 de julho de 2019. De lá para cá, ela dirigiu as brasileiras em 11 jogos, com seis vitórias, quatro empates e apenas uma derrota (em 7 de março deste ano para a França, na casa das rivais, em um torneio amistoso). No período, foram 26 gols marcados e somente cinco sofridos. Entre os resultados, destaque às quatro goleadas do período (5 a 0 na Argentina, 4 a 0 no Canadá e 6 a 0 e 4 a 0 no México) e à vitória por 2 a 1 sobre a Inglaterra, atual vice-campeã mundial.

Edição: Fábio Lisboa

Página 3 de 447
Topo