Gisnei

Gisnei

Nos Jogos Parapan-Americanos de Lima, uma modalidade na qual a medalha de ouro garantirá um prêmio especial é o tênis em cadeira de rodas. Os vencedores, tanto no masculino como no feminino, garantirão a classificação para os Jogos Paralímpicos de 2020, em Tóquio.

Um dos atletas brasileiros que luta tanto pela glória no Parapan como pela vaga em Tóquio é Daniel Rodrigues. O atleta mineiro encara este desafio com confiança, pois já obteve conquistas importantes. No Mundial do Japão, em 2016. ficou com a prata no individual e em duplas. Nos Jogos Parapan-Americanos de Toronto, em 2015, ganhou bronze no individual.

Porém, Daniel quase desistiu o esporte. “Quando fui fazer a primeira aula experimental, eu odiei. Não consegui acertar a bolinha. Minha mão machucava toda porque eu andava de muletas, não de cadeira. Então achei tudo ruim. Mas eu era muito tímido, não sabia falar não. Então toda vez que o treinador perguntava se eu voltaria na próxima semana, eu respondia que sim”, afirma o tenista.

E de tanto retornar ele se desenvolveu no esporte, tendo também participado de uma edição dos Jogos Paralímpicos. Além disso, ele passou a ter uma nova percepção do esporte e das competições: “Eu acho muito especial toda competição na qual você representa o Brasil”.

Regras do esporte

O tênis em cadeira de rodas é dividido em duas classes: open e quad. No Open participam atletas que têm lesão permanente em uma ou duas pernas, mas que não tenham lesões nos membros superiores. Já na categoria quad, além da lesão nos membros inferiores, os atletas têm alguma deficiência nos membros superiores.

A principal diferença em relação ao tênis tradicional é que no tênis em cadeira de rodas a bola pode quicar duas vezes, sendo que o segundo quique pode ser fora da quadra. Nos Jogos Parapan-Americanos participam 24 homens na categoria open, 12 mulheres na open e oito atletas no quad, categoria na qual homens e mulheres competem juntos. A definição dos atletas que participam do Parapan segue o ranking mundial do dia 8 de julho.

Estreia do Quad

O tênis em cadeira de rodas está no programa Parapan-americano desde 2011. Mas a categoria quad só vai estrear agora, uma alegria para Ymanitu Silva: “Para mim é muito especial, pois sempre vi meus parceiros de equipe e de seleção indo para o Parapan. E sempre ficava com aquele gostinho de participar dessa competição. Não existia a minha categoria. Estou muito ansioso e contente de representar o meu país, de participar da delegação para fazer a minha primeira participação no Parapan e tentar trazer uma medalha”.

Os Jogos Parapan-Americanos de Lima acontecem entre os dias 23 de agosto e 1º de setembro.

Edição: Liliane Farias

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

 

O governo federal anunciou hoje (20), em evento no Palácio do Planalto, o lançamento de uma nova linha de financiamento habitacional na Caixa Econômica Federal (CEF). Essa linha vai operar contratos habitacionais corrigidos pela inflação oficial medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), mais uma taxa fixa.

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, havia adiantado a medida na semana passada, sem detalhes. Na tarde desta terça-feira, no Planalto, Guimarães explicou que a nova linha, baseada no IPCA, trará taxas reduzidas e utilizará o IPCA no lugar da Taxa Referencial (TR), definida pelo Banco Central e considerada por Guimarães de baixa previsibilidade.

A nova linha traz uma taxa de 4,95% do valor financiado mais correção do IPCA. A porcentagem pode chegar a 2,95% do valor financiado para quem tem as melhores relações com o banco (ter conta no banco e apresentar baixo risco de inadimplência, por exemplo). Os valores serão corrigidos mensalmente, prestação a prestação, conforme o IPCA mais recente.

Já a linha de financiamento praticada atualmente traz uma correção de TR mais 9,75% do valor financiado. Essa porcentagem pode cair até 8,5%, sendo 8,5% para clientes com boas relações com o banco.

Prestações menores

Guimarães disse que o valor da prestação do financiamento imobiliário poderá ser reduzido até pela metade. “O que representa isso? Um imóvel de R$ 300 mil, que hoje você começa pagando R$ 3 mil, você baixará, com 4,95% de taxa, de R$ 3.168 para R$ 2 mil. Se você chegar a uma taxa de 2,95%, você chega a uma redução de 51% na prestação”.

Caso o cliente não queira financiar com base no IPCA, temendo um aumento muito grande na inflação no futuro, ele poderá optar pela linha já usada. “Se o cliente tiver esse receio, ele pode continuar com TR. Exatamente por causa disso, um componente do IPCA mais volátil, que a gente reduziu tanto, para 4,95%”, disse o presidente da Caixa.

O presidente Jair Bolsonaro participou do evento e disse que a medida é um ganho para a sociedade como um todo, tanto para quem vai comprar, quanto para os setores imobiliário e da construção. “Isso é muito bem-vindo. E a sociedade toda ganha, todo mundo ganha. Vamos, na medida do possível, dando sinais que queremos fazer um Brasil melhor para todos”.

Para o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, a medida deverá favorecer o mercado. “A transferência do indexador da prestação do crédito imobiliário – da TR [Taxa Referencial], que não tem a confiança dos investidores, para o Índice de Preços [IPCA]– deve favorecer o mercado. [...] A atualização por Índice de Preços estimula o apetite para esses agentes [financeiros] comprarem os papéis”, disse Martins, em nota.

Para Martins, a medida estimulará a concorrência, trará dinheiro novo e abrirá caminho para que os custos para o crédito imobiliário diminuam. “O consumidor final vai poder pagar menos em prestações, pois a economia brasileira vai ter um mercado real em vez de um ‘mercado de apostas'”, disse.

Edição: Fábio Massalli
 
Por Marcelo Brandão - Repórter da Agência Brasil
 
 
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O Ministério da Saúde passou a recomendar a vacinação contra o sarampo em crianças com idade entre 6 meses e 11 meses e 29 dias para combater a disseminação do vírus no país. Nessa faixa etária, segundo a pasta, será ofertada uma dose complementar, chamada de dose zero, como já acontece em campanhas como a de combate à poliomielite. A orientação foi apresentada hoje (20) em entrevista coletiva na sede do órgão, em Brasília.

Entre 19 de maio e 10 de agosto deste ano, foram confirmados 1.680 casos de sarampo no Brasil, além de 7,5 mil casos em investigação. No período, de acordo com o ministério, não houve mortes confirmadas decorrentes da enfermidade.

Após um surto envolvendo estados da Região Norte no início do ano, um novo surto foi registrado no estado de São Paulo, que concentra, atualmente, 1.662 casos em 74 municípios – 98,5% do total de casos. Em seguida aparecem Rio de Janeiro, com seis casos, e Pernambuco, com quatro. Com um caso estão Goiás, Paraná, Maranhão, Rio Grande do Norte, Espírito Santo, Bahia, Sergipe e Piauí.

A recomendação da vacinação adicional de crianças com idade entre 6 meses e 11 meses e 29 dias se deve ao fato deste ser o público com maior potencial de contágio. O coeficiente de incidência em bebês de até 1 ano é de 38,28 casos para cada grupo de 100 mil, enquanto a média de todas as faixas etárias ficou em 4,12. Normalmente, a imunização acontece por meio de duas doses, aos 12 meses e aos 15 meses de vida.

“Temos observado uma incidência elevada em menores de 1 ano. É fundamental estabelecermos estratégia diferenciada para essa faixa etária, olhar para as crianças menores de 1 ano com especial atenção”, declarou o secretário de vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira.

Jovens adultos

Além dos bebês, outro público que preocupa o ministério é o de jovens adultos. A pasta destacou a necessidade de pessoas de 20 a 29 anos regularizarem a vacinação contra o sarampo – o grupo tem coeficiente de incidência de 9 casos para cada grupo de 100 mil, mais que o dobro da média nacional. A orientação vale especialmente para São Paulo, estado com muitos casos e alta densidade populacional.

De acordo com o ministério, pela rotina de imunização estabelecida, pessoas com até 29 anos devem já ter recebido duas doses contra o sarampo. Já quem tem entre 30 e 49 anos deve ter tomado pelo menos uma dose. O secretário ponderou, contudo, que não há necessidade de corrida aos postos de saúde e que a regularização pode ser feita tranquilamente.

Difícil controle

Questionado sobre as razões da propagação do sarampo no país, Oliveira argumentou que a natureza do vírus e de sua transmissão dificultam o controle, especialmente com um surto em uma região como o estado de São Paulo.

“O sarampo é doença de transmissão respiratória. É rastilho de pólvora. Para cada caso, podemos ter 18 pessoas infectadas. É extremamente complexa a contenção da situação viral, principalmente num estado com a densidade demográfica que São Paulo tem”, disse. Entre os principais obstáculos, segundo ele, estão a falta de imunização em adultos jovens e a dificuldade de conscientização desse público. 

Estoque

O secretário relatou que já foram disponibilizadas 7,5 milhões de doses da vacina para o estado de São Paulo, além do apoio a campanhas de comunicação para sensibilizar os públicos mais afetados pelo vírus. Ele acrescentou que as vacinas adicionais para bebês devem totalizar cerca de 1,6 milhões de doses e que os estados estão abastecidos, mas que o governo está buscando um estoque complementar com fornecedores externos.

O representante do ministério apontou como problema a atuação de movimentos antivacina que, segundo ele, se alimentam de desinformação e notícias falsas para recusar a imunização necessária. O ministério disponibilizou uma seção em seu sitepara desmentir notícias falsas e oferecer outras informações.

Edição: Paula Laboissière
 
Por Jonas Valente – Repórter Agência Brasil
 
 
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Quarenta e um coordenadores de núcleo de Santana do Livramento, São Gabriel, Cacequi e Rosário do Sul, estiveram reunidos no último sábado, dia 17, no Golf Club de Rosário do Sul, para o segundo módulo de uma série de nove, do programa Qualificar para Transformar, que tem por objetivo qualificar os coordenadores de núcleo da Sicredi Pampa Gaúcho.

Este foi o segundo encontro deste módulo. Na semana que vem, em Uruguaiana, os coordenadores de núcleo de Maçambará, Itaqui e Uruguaiana estarão reunidos para o terceiro e último encontro.

Este módulo da formação continuada, foi apresentado pelo diretor Executivo da Cooperativa, Henrique Assis, que falou sobre conceito e estrutura de Governança. Também foi falado sobre o papel do coordenador de núcleo nessa estrutura e dos conselhos de Administração e Fiscal e do diretor Executivo.

Um dos pontos altos do encontro, foi o entendimento de que os resultados são positivos, quando as atribuições de cada integrante da Governança são bem definidas, o que facilita a gestão, o desenvolvimento e o crescimento da Cooperativa.

Há relatos no mercado de compras pela China de mais de 1 milhão de toneladas de soja de Brasil e Argentina apenas nos últimos dois dias, com a situação cambial facilitando a vida de importadores.

Enquanto isso, os negócios entre produtores e processadores brasileiros foram fortes, especialmente nesta semana em que foi realizado um leilão para compra de biodiesel, cuja matéria-prima é em sua maioria óleo de soja.

O prêmio pela soja nacional no porto de Paranaguá, importante termômetro da exportação, subiu mais de 15% na semana para 1,50 dólar por bushel ante contrato de referência da bolsa de Chicago, maior nível desde novembro de 2018, com a forte demanda chinesa.

No mercado local, preço da soja no acumulado do mês atingiu 85,40 reais por saca de 60 kg (base Paranaguá), também o maior valor desde meados de novembro, com alta de mais de 10 por cento no mês, de acordo com dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP.

“Isto é sinal do aumento da demanda chinesa sobre a soja da América do Sul, especialmente Brasil e Argentina”, disse Luiz Pacheco, da T&F Agronômica, em relatório.

Ele disse que foram reportados negócios de 14 carregamentos na quarta-feira e outros quatro, na quinta-feira, totalizando mais de 1 milhão de toneladas do produto.

“No Brasil, houve vendas de origem de mais 120 mil toneladas. Na Argentina, os agricultores venderam mais 300 mil toneladas... fugindo dos eventuais problemas político-econômicos e aproveitando a alta do dólar, com boa participação dos exportadores”, acrescentou Pacheco. 

Relatos de outras fontes do mercado confirmaram tais negócios de soja no Brasil. As transações têm sido impulsionadas tanto pela guerra comercial, já que chineses disseram que não estão comprando mais o produto dos EUA, quanto pelo câmbio.

No Brasil, o dólar foi visto a patamares não registrados desde maio, valendo mais de 4 reais, enquanto na Argentina, com derrota do presidente Maurício Macri nas primárias, um dólar valeu 65 pesos no início da semana, o maior valor da história.

“O acirramento da guerra comercial, desde a semana passada, gerou uma série de incertezas, e o ponto de inflexão foi a desvalorização da moeda chinesa em relação ao dólar, e o Brasil também teve desvalorização, e a Argentina nem se fale”, disse o pesquisador do Cepea Lucilio Alves.

O professor chamou também a atenção para a maior demanda interna, seja para atender a uma mistura maior de biodiesel no diesel, que passará a partir de setembro, de 10% para 11%, seja para atender a indústria de ração, em meio a uma boa demanda de indústrias de carnes, que também estão elevando exportações, especialmente para a China, atendida pela peste suína africana. 

Alves lembrou do leilão de biodiesel da última segunda-feira. Embora os resultados não tenham sido divulgados, há indicações de que houve boa participação dos agentes, comentou.

O aumento da mistura para B11 eleva a demanda pela oleaginosa em cerca de 200 mil toneladas ao mês, já que o biodiesel é feito majoritariamente de óleo de soja no Brasil.

Isso adiciona mais pressão em um balanço de oferta de demanda apertado no Brasil, após uma colheita menor em 2019.

“Tem um fato novo que contribuiu para o acirramento da disputa pela matéria-prima, o leilão de biodiesel... Isso aumentou um pouco a disputa interna”, disse.

Segundo o especialista, nessa conjuntura, os preços do óleo estão nos maiores níveis desde o final de 2018, enquanto o farelo de soja também vem sendo absorvido pela demanda do setor de carnes.

“Tem um ambiente interno de preços maiores para os derivados, e isso melhora a margem do esmagador”, destacou.

Por: REUTERS

Imagem créditos: Cultura Mix

A Santa Casa de Misericórdia passará a contar com mais um importante investimento em breve: a instalação de placas solares. O tema foi tratado durante reunião nesta sexta-feira (16), com o prefeito Ico Charopen; o secretário de Desenvolvimento, Calico Grisolia e o gerente de relacionamentos, Edson Braz.

De acordo com o Gerente, a RGE irá investir cerca de R$ 500 mil em placas solares no Hospital. A expectativa é que em 60 dias, o novo sistema de energia já esteja em funcionamento. Além de inovação e sustentabilidade, a implantação da energia solar também proporcionará economia para a Santa Casa.

Foto: Assessoria de Comunicação Social || Fonte: Assessoria de Comunicação Social

Após conquistar a Copa América 2019 em julho, o técnico Tite voltou a convocar a Seleção Brasileira na manhã desta sexta-feira (16). Na sede da CBF, o treinador divulgou a lista de 23 jogadores que disputarão os amistosos da Data FIFA de setembro deste ano.

Os dois próximos compromissos da Seleção Brasileira serão nos Estados Unidos. No dia 6 de setembro, os comandados de Tite enfrentam o Peru, em Miami, no Hard Rock Stadium. Quatro dias depois, em Los Angeles, o Brasil pega a Colômbia no Los Angeles Memorial Coliseum.

Como de praxe, logo após o anúncio dos convocados, o técnico Tite, seu auxiliar Cléber Xavier e o coordenador de Seleções Juninho Paulista conversaram com a imprensa. Perguntado sobre as novidades na lista da Seleção Brasileira, como o goleiro Ivan, o zagueiro Samir, o lateral Jorge e o atacante Bruno Henrique, o treinador explicou que os amistosos servem para oportunizar novos jogadores e destacou as qualidades de cada um. 

– O Ivan vem dentro daquela ótica dos amistosos de oportunizar atletas mais jovens para que eles se consolidem. Não tem sentido pegar três atletas de alto nível para a posição. Aí tu traz um jovem também no sentido de formação. O Jorge já esteve em duas convocações conosco e vive um grande momento no Santos. O Samir está nesse mesmo contexto, temos acompanhado ele na Udinese, tem três temporadas italianas em alto nível. E o Bruno Henrique vem se destacando no Flamengo, jogador que faz gol, que dá assistência... Tem aí uma série de componentes que levaram a estas convocações – analisou Tite.

A próxima Data FIFA começa no dia 2 de setembro. Como de costume, a comissão técnica da Seleção Brasileira se apresentará um dia antes em Miami. 

Confira a lista de convocados:

GOLEIROS

Éderson - Manchester City (ING)

Ivan - Ponte Preta

Weverton - Palmeiras

DEFENSORES

Daniel Alves - São Paulo

Fágner - Corinthians

Alex Sandro - Juventus (ITA)

Jorge - Santos

Marquinhos - Paris Saint Germain (FRA)

Thiago Silva - Paris Saint Germain (FRA)

Eder Militão - Real Madrid (ESP)

Samir - Udinese (ITA)

MEIAS

Casemiro - Real Madrid (ESP)

Fabinho - Liverpool (ING)

Arthur - Barcelona (ESP)

Allan - Napoli (ITA)

Lucas Paquetá - Milan (ITA)

Philipe Coutinho - Barcelona (ESP)

ATACANTES

Neymar - Paris Saint Germain (FRA)

Vinicius JR. - Real Madrid (ESP)

David Neres - Ajax (HOL)

Roberto Firmino - Liverpool (ING)

Richarlison - Everton (ING)

Bruno Henrique - Flamengo

https://www.cbf.com.br

Os consumidores poderão ter acesso a juros mais baixo com crédito de longo prazo. Essa é a expectativa do Banco Central (BC), que pretende elaborar medidas para destravar o crédito com garantia de imóvel, chamado de home equity. A ideia é reduzir os custos e o tempo com burocracias em cartório e avaliação de imóveis.

No último dia 6, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, disse que os custos cartoriais e de avaliação de imóveis ficam em torno de R$ 7 mil a R$ 8 mil. Segundo Campos Neto, o home equity pode injetar R$ 500 bilhões na economia, quase dobrando a carteira atual de crédito imobiliário.

Atualmente, o home equity representa cerca de 3% do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país. Com o estímulo à modalidade, esse percentual poderá chegar a 20% do PIB, em 20 anos, segundo estimativa do presidente de uma empresa do setor, a Credihome, Bruno Gama.

"Essa taxa atual é muito baixa se comparado a países desenvolvidos ou mesmo outros países da América Latina. Com juros em queda, destravamento e simplificação do processo de registro de cartório e os incentivos adequados, o volume de home equity pode chegar a 10% em 8 a 10 anos e até 20% em 20 anos – número que se aproxima dos R$ 500 bilhões citados pelo Banco Central", disse Gama.

Segundo levantamento feito por Gama, com base em dados de bancos centrais, no México, o home equity representa cerca de 10% do PIB, enquanto no Chile, 14%. Economias mais maduras como Japão (33%), Alemanha (51%) e até Austrália (82%) tem índices mais de 10 vezes maiores que os do Brasil.

Gama lembrou que o estímulo à modalidades de crédito com prazos mais longos e juros menores, faz parte da agenda do BC, que anunciou recentemente redução do compulsório (recursos que os bancos são obrigados a deixar depositados no Banco Central) para instituições financeiras que oferecem crédito com garantia de imóvel.

Segundo o empresário, o home equity permite dar liquidez (tornar o recurso disponível) a um bem de valor elevado e vai estimular o crédito de longo prazo no país. Ele acrescentou que o crédito, atualmente, está muito concentrado em linhas de curto prazo, como empréstimos pessoais. Gama também avalia que há uma mudança cultural dos clientes que calculam quanto gastam com juros.

De acordo com ele, atualmente o uso de imóveis como garantia - embora ainda incipiente se comparado a seu potencial de crescimento - já permite que o consumidor acesse crédito com juros de 1% ao mês e prazos de até 20 anos.

Gama afirmou ainda que, atualmente, a liberação do empréstimo leva muito tempo por envolver análise de crédito do cliente, de documentos e avaliação do imóvel e registro em cartório. Esse tipo de contrato precisa ser levado ao cartório de imóveis e só depois disso, há liberação do empréstimo.

O diretor da Associação Nacional dos Executivos de Finanças (Anefac), Miguel de Oliveira, disse que o crédito com garantia é naturalmente mais barato porque o risco de inadimplência é menor. Assim, os bancos, que são obrigados a fazer reservas para as operações de crédito, podem reservar um volume menor de dinheiro e isso reduz o custo do empréstimo. “Se a operação é mais segura, o risco é menor e a taxa de juros é menor. É mais uma medida que possibilita fazer uma operação com garantia real”, disse.

Edição: Fernando Fraga

Por Kelly Oliveira - Repórter da Agência Brasil

A distribuição de 100% dos lucros do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) exigirá planejamento do trabalhador que sacar tanto os R$ 500 distribuídos até março como os saques na data do aniversário a partir de abril do próximo ano. A mudança nos rendimentos fará o FGTS render mais que a poupança e os títulos do Tesouro Direto vinculados à Selic – juros básicos da economia.

Atualmente, a taxa Selic está em 6% ao ano, no menor nível da história, e deve cair ainda mais na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), na metade de setembro. A poupança rende atualmente 4,2% ao ano, o equivalente a 70% da Selic. Em contrapartida, o FGTS deverá encerrar 2019 com rendimento de 6,18%.

O FGTS rende 3% ao ano mais a Taxa Referencial (TR), que está zerada. Além disso, desde 2017, o fundo distribuía 50% dos lucros do ano anterior. Dessa forma, metade do lucro era dividida entre os cotistas, cada um ficando com um valor proporcional ao saldo da conta.

Em 2017, o FGTS distribuiu R$ 7,2 bilhões dos resultados de 2016 entre os trabalhadores. Em 2018, o valor repartido chegou a R$ 6,23 bilhões dos lucros do ano anterior. Para este ano, no entanto, o balanço provisório do FGTS em 2018, em análise pela Caixa Econômica Federal, aponta lucro de 12,2 bilhões, o que daria rentabilidade total de 6,18%.

Planejamento

A rentabilidade superior a 6% não garante que o Fundo de Garantia renda esse valor todos os anos. Na verdade, a tendência é que os lucros diminuam em valor absoluto nos próximos anos com a os saques nas contas ativas e inativas. Segundo o próprio Ministério da Economia, serão liberados R$ 28 bilhões do FGTS em 2019 e R$ 12 bilhões em 2020, diminuindo o estoque de recursos no fundo.

Professor de Finanças do Ibmec, Gilberto Braga, diz que o aumento de rentabilidade do FGTS exigirá cuidado e planejamento do trabalhador. Ele, no entanto, diz que diversos instrumentos continuam a oferecer rendimentos maiores que o Fundo de Garantia.

“Os títulos prefixados do Tesouro Direto de prazo maior ainda são uma alternativa atrativa e costumam ser procurados nos momentos de queda da Selic, como o atual”, explica. Os papéis prefixados com vencimento em 2025 eram vendidos com rendimento de 6,85% ao ano na última sexta-feira (16).

Outra opção são as Letras de Crédito do Agronegócio (LCA) e Letras de Crédito Imobiliário (LCI), que são isentas de Imposto de Renda. Esses investimentos, no entanto, exigem valores elevados de aplicações iniciais, a partir de R$ 1 mil ou R$ 5 mil, e só podem ser resgatado no vencimento da aplicação, que chega a sete anos para os papéis mais atrativos.

O coordenador do MBA de gestão financeira da Fundação Getulio Vargas, Ricardo Teixeira, no entanto, diz que o trabalhador deve analisar as opções e estar ciente de que, com a queda da taxa Selic, o investidor deverá assumir mais riscos se quiser obter rendimentos elevados. “O trabalhador deve estar atento para fazer boas aplicações, mas deverá saber que correrá risco maior. Quem está próximo da aposentadoria e sacará o FGTS em breve, talvez esse risco pode ser válido, mas é preciso cuidado e conhecimento”, aconselha.

Recomendações

Os dois especialistas aconselham ao trabalhador sacar a parcela de R$ 500 para quitar dívidas. Caso o valor do débito seja grande, ele poderá usar o valor retirado para negociar um abatimento. Se o trabalhador não tiver dívida, os dois economistas recomendam a montagem de uma reserva de emergência, equivalente a alguns meses da renda, para dar segurança financeira.

O investimento mais indicado para reservas de emergência são os títulos do Tesouro corrigidos pela Selic, que podem ser sacados com facilidade e sem perdas a partir do 30º dia. Mesmo com os juros básicos da economia rendendo menos que o FGTS em 2019, a montagem da reserva de emergência pode ser vantajosa ao constituir um colchão financeiro para o trabalhador.

“Mesmo rendendo mais que a Selic atualmente, o dinheiro do FGTS está parado na conta e só pode ser retirado em situações especiais. Com a liberação dos saques, o dinheiro passará a constituir uma reserva que pode ser usada em momentos de imprevistos. Sob esse ângulo, retirar o dinheiro pode valer a pena, mas cada caso é um caso”, diz Braga.

Somente depois de constituir a reserva de emergência, o trabalhador pode investir o restante, tendo a consciência de que o dinheiro ficará parado muitos anos para obter rendimentos expressivos. “Se o trabalhador usar o dinheiro que sobrar do FGTS para consumir, que compre bens duráveis e de que realmente esteja precisando. Mas, se já tiver uma reserva de emergência, o ideal é investir pensando no longo prazo”, explica Teixeira.

Edição: Aécio Amado
Por Wellton Máximo - Repórter da Agência Brasil

Foi dada a largada para o segundo módulo de uma série de nove, do programa Qualificar para Transformar, que prevê qualificar os coordenadores de núcleo da Sicredi Pampa Gaúcho, representantes dos mais de 64 mil associados da Cooperativa. 

O segundo módulo desta formação continuada será desenvolvido em três encontros. O primeiro aconteceu no sábado, dia 10 e reuniu representantes de Manoel Viana, Quaraí e Alegrete. Outros dois encontros do segundo módulo acontecem em Rosário do Sul e Uruguaiana, dias 17 e 24 deste mês, respectivamente. 

No encontro, os coordenadores relataram a experiência de ver de perto o desenvolvimento dos projetos do Valor “S” nos três municípios. “Foram relatos impactantes, sobre o quanto as transformações a que se propõe o Valor “S”, desde seu lançamento, estão mudando a realidade das comunidades”, disse o presidente da Sicredi Pampa Gaúcho, José Antonio Menezes. 

O segundo módulo tem como tema Governança. O assunto foi conduzido pelo diretor Executivo da Cooperativa, Henrique Assis. No decorrer da manhã, ele falou sobre o conceito de governança e como ela está estruturada dentro de uma cooperativa. “São práticas que norteiam o relacionamento de um grupo de pessoas que está no topo da pirâmide e não na base”, disse, referindo-se a uma pirâmide invertida que orienta o cooperativismo. Também foi falado sobre o papel do coordenador de núcleo nessa estrutura e dos conselhos de Administração e Fiscal e do diretor Executivo. “Temos áreas e grupos que são estratégicos e operacionais e cada um tem papel fundamental na governança da Sicredi Pampa Gaúcho”, concluiu Assis.

Mônica Freitas Valle Corrêa

Assessora de Comunicação e Marketing

Página 6 de 362
Topo