Gisnei

Gisnei

Pela terceira vez seguida, o Banco Central (BC) diminuiu os juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu a taxa Selic para 5% ao ano, com corte de 0,5 ponto percentual. A decisão era esperada pelos analistas financeiros.

Com a decisão de hoje (30), a Selic está no menor nível desde o início da série histórica do Banco Central, em 1986. De outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi mantida em 7,25% ao ano e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% ao ano em julho de 2015. Em outubro de 2016, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia até que a taxa chegasse a 6,5% ao ano em março de 2018, só voltando a ser reduzida em julho deste ano.

Em comunicado, o BC reiterou a necessidade de continuidade nas reformas estruturais da economia brasileira para que os juros permaneçam em níveis baixos por longo tempo. O texto indicou que uma nova redução de 0,5 ponto deverá ocorrer antes do fim do ano. “O Comitê avalia que a consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir um ajuste adicional, de igual magnitude”, destacou o texto. A próxima reunião do Copom está marcada para 10 e 11 de dezembro.

Inflação

A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Em setembro, o indicador fechou em 2,89% no acumulado de 12 meses. No mês passado, o IPCA registrou deflação de 0,04%, o menor percentual para meses de setembro desde 1998.

Para 2019, o Conselho Monetário Nacional (CMN) estabeleceu meta de inflação de 4,25%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual. O IPCA, portanto, não poderá superar 5,75% neste ano nem ficar abaixo de 2,75%. A meta para 2020 foi fixada em 4%, também com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual.

No Relatório de Inflação divulgado no fim de setembro pelo Banco Central, a autoridade monetária estima que o IPCA encerrará 2019 em 3,3%, continuando abaixo de 4% até 2022. De acordo com o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo BC, a inflação oficial deverá fechar o ano em 3,29%.

Crédito mais barato

A redução da taxa Selic estimula a economia porque juros menores barateiam o crédito e incentivam a produção e o consumo em um cenário de baixa atividade econômica. No último Relatório de Inflação, o BC projetava expansão da economia de 0,9% para este ano e de 1,8% em 2020.

A expectativa está em linha com as do mercado. Segundo o boletim Focus, os analistas econômicos preveem crescimento de 0,91% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos pelo país) em 2019.

A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o Banco Central segura o excesso de demanda que pressiona os preços, porque juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Ao reduzir os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas enfraquece o controle da inflação. Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de subir.

infografia_selic
infografia_selic - ArteDJOR

Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil 

 

Ao longo desta quarta-feira (30), a Secretaria Municipal de Assistência e Inclusão Social está atuando no apoio às famílias mais prejudicadas pelo temporal. Divididos em equipes, os servidores da Pasta estão realizando a entrega de alimentos e cadastrando moradores.

Foto: Assessoria de Comunicação Social || Fonte: Assessoria de Comunicação Social

O Grêmio está de volta ao Rio de Janeiro após três dias e fez o último treino na tarde desta terça-feira, na preparação para enfrentar o Vasco. A atividade aconteceu no Centro de Treinamentos do Fluminense, no Rio de Janeiro, e teve os portões fechados na primeira parte. O jogo é nesta quarta-feira, 21h30, no estádio São Januário pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O treino iniciou com os portões fechados para a imprensa. Quando se teve acesso, os atletas participavam de um trabalho de dois toques, com a participação do técnico Renato Portaluppi.

Para buscar o acesso ao G6, zona de classificação à Libertadores, o Tricolor precisa vencer o confronto e contar com resultados paralelos. Com 44 pontos na tabela e na sétima posição, a equipe entra em campo para repetir o feito no primeiro turno, quando venceu o time carioca por 2 a 1. 

O Tricolor tem alguns desfalques, como o zagueiro Pedro Geromel, com uma contusão muscular  após pancada no músculo anterior da coxa direita na última partida, o atacante Alisson, que sentiu desconforto no braço esquerdo e na região cervical e precisará ficar por observação, além do volante Maicon, preservado. Suspensos, Matheus Henrique e Kannemann também estão fora do jogo. 

Fora da vitória sobre o Botafogo, o atacante André, que estava suspenso, e o volante Michel, com desgaste físico, são opções para Renato.

Abaixo, os atletas à disposição para o confronto desta quarta-feira:

Goleiros: Paulo Victor, Phelipe Megiolaro e Brenno
Zagueiros: Paulo Miranda, David Braz e Rodriguez
Laterais: Léo Moura, Bruno Cortez e Juninho Capixaba
Meia-campistas: Michel, Rômulo, Darlan e Thaciano
Atacantes:  Everton, Pepê, Ferreira, Tardelli, André, Luciano e Da Silva

Na manhã desta terça-feira (29), foi empossada a nova Secretária Municipal de Cultura, Esporte e Lazer, Maria Regina do Prado Alves.
Durante sua fala, o prefeito Ico Charopen destacou o extenso currículo de Maria Regina, que já foi vereadora, secretária de educação por três vezes, vice-prefeita e possui uma história de militância por vários anos ao lado do ex-prefeito Glenio Lemos. “A professora Maria Regina é uma pessoa respeitada, é desse meio, e tenho certeza que vai desempenhar com muita dedicação esse trabalho”, enfatizou.
Maria Regina agradeceu as palavras do prefeito e disse estar muito satisfeita. “O que nos espera é muito trabalho, temos vários setores para revitalizar como a Biblioteca Pública, o Museu, a Estação Cultura e a Casa de David Canabarro, queremos organizar esses locais bem como criar o Conselho Internacional de Cultura, em conjunto com Rivera”, salientou.
O ato de posse contou com a presença dos secretários municipais, representantes de vereadores, vereador Marco Monteiro, representantes do Coral Municipal, da Aliança Francesa e de servidores da secretaria.

 

 Foto: Assessoria de Comunicação Social || Fonte: Assessoria de Comunicação Social

Um mercado em transformação, com novos consumidores potenciais e a carência de estratégias para a formação de novos leitores é a descrição do mercado literário brasileiro, feita por escritores. O mercado reúne profissionais apaixonados pelo que fazem. No Dia Nacional do Livro, a Agência Brasil conversou com autores e editores.

"Nós todos que trabalhamos com escrita, com texto, com formas de abstração, somos todos sonhadores", diz a autora e editora na Página Editora, de Belo Horizonte (MG), Cláudia Rezende. "Acredito muito na literatura, na força de formar um leitor fluente, na diferença que isso faz na vida das pessoas", acrescenta. 

Cláudia publicou o primeiro livro este ano, Poli Escolhe, que tem como tema o processo de escolha das crianças. O lançamento vem junto com um trabalho já conhecido de autores, de divulgação, de lançamento da obra, de distribuição e vendas.  

"Há crise no mercado, temos editoras fechando, livrarias em dificuldade, mas, por outro lado, temos também uma facilidade maior de publicar. Na editora recebemos muita procura por publicação", diz. Segundo ela, editoras pequenas, como a Página são as que "estão realizando sonhos. Antes, dependia-se de grandes editoras, agora não", afirma. 

Cláudia destaca, no entanto, que a concorrência editorial é alta, sobretudo com livros impressos em outros países, de baixo custo. "A gente nem visa a determinados públicos porque não há como concorrer com dois livros a R$ 10", diz. A estratégia tem sido, então, segundo ela, recorrer à maior qualidade, à busca por obras que reflitam as ideias de cada autor.

Editais e vaquinhas

Além das editoras, editais públicos e vaquinhas aparecem como alternativa, sobretudo para novos autores. A escritora Sílvia Amélia de Araújo, de Cidade de Goiás (GO), recorreu às duas estratégias. Ela já tem livros publicados e outros ainda na gaveta, quase prontos para serem lançados. 

Reinauguração da fachada restaurada da Biblioteca Nacional, na Cinelândia, Rio de Janeiro.
Fachada da Biblioteca Nacional, na Cinelândia, Rio de Janeiro. - Fernando Frazão/Agência Brasil

Foi com recursos do edital de Literatura do Fundo de Arte e Cultura do Estado de Goiás que Sílvia publicou o livro No meio do caminho. A obra, vendida a R$ 15, reúne histórias de pessoas que compartilharam com ela viagens em transportes públicos. De quem sentava ao lado e falava da vida. "Fiz o livro voltado para pessoas de baixa escolaridade, pessoas adultas que se alfabetizaram recentemente ou que têm pouco estudo, que não vão conseguir ler um livro denso de letra pequena, mas que também não se interessam por livros infantis", conta. 

O edital, segundo ela, tornou a obra mais acessível. "O brasileiros têm um hábito de leitura ainda muito baixo, mas valor da leitura é alto no país. As pessoas acham importante ler, acham valioso e esperam que seus filhos sejam leitores. Acho que existe campo para trabalhar e, nesse sentido, os editais são importantes porque permitem esse tipo de coisa que eu propus, distribuir os livros ou vender muito baratinho", diz. 

A estimativa é que 44% dos brasileiros sejam não leitores, o que significa que não leram nenhum livro nos últimos três meses, de acordo com a última pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, do Instituto Pró-Livro. 

A autora conseguiu ainda, por meio de uma vaquinha online, financiamento para lançar mais dois livros: Álbum de histórias e Guia Casar Bonito. Como está grávida, a contagem para o lançamento é também pelo tempo do bebê. Ela pretende lançar um livro antes do nascimento, previsto para fevereiro, e outro depois. 

Apesar dos projetos em andamento, Sílvia diz: "é difícil viver só da literatura, só da venda de livros, é raríssimo encontrar alguém que viva só disso. Mas, é possível construir uma carreira em torno disso. Eu dou oficinas de escrita, é algo que me dá uma renda e tem relação com o que eu quero fazer".

Cenário de transformações

Para a diretora executiva da Câmara Brasileira do Livro (CBL), Fernanda Garcia, o livro no Brasil está passando por transformações. O Painel do Varejo de Livros no Brasil, pesquisa da Nielsen Brasil e do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel), mostra leve melhora de 0,96% das vendas de livros entre setembro e outubro de 2019, em comparação com o mesmo período do ano passado. 

Em 2018 foram vendidos 2,9 milhões de livros e, em 2019, 3 milhões entre o início de setembro e o início de outubro de cada ano. Em valores, o aumento foi de 3,74%, passando de R$ 112,7 milhões para R$ 116,9 milhões. "[A pesquisa] este ano mostrou, pela primeira vez, um crescimento, pequeno, mas a curva para cima. A gente está feliz com isso", diz Fernanda. "Embora não seja uma recuperação, demonstra um cenário, uma curva de crescimento".

Apesar do crescimento no mês, no acumulado do ano, de janeiro a outubro, 2019 ainda está abaixo de 2018. O volume de livros vendidos acumula até agora queda de 10,26% e o valor das vendas, queda de 9,53%. 

Fernanda cita várias mudanças no consumo de obras literárias, como o surgimento de diversos clubes de leitura, o fortalecimento dos audiolivros e livros digitais, o avanço de livrarias independentes e de nicho, ao mesmo tempo que o enfraquecimento de grandes redes. "Paralelamente a isso, há uma geração que vem fazendo livro de forma diferente, mais conectada a um tipo específico de público", diz. 

A diretora defende que para que o hábito da leitura se perpetue e para que o mercado de livros se sustente, é preciso um trabalho, principalmente do Poder Público, na formação de leitores. Para isso, a CBL defende a regulamentação da Política Nacional de Leitura e Escrita (PNLE), sancionada em lei no ano passado. 

Entre outros pontos, a política visa à universalização do direito ao acesso ao livro, à leitura, à escrita, à literatura e às bibliotecas e, para isso, prevê a formação de pessoal e o fortalecimento dos acervos. "A gente acredita muito no livro como elemento transformador da sociedade, da educação, do país", defende.

Dia Nacional do Livro

O Dia Nacional do Livro foi instituído em homenagem à fundação da Biblioteca Nacional - na época Real Biblioteca -, instalada oficialmente no Rio de Janeiro em 29 de outubro de 1810.

Edição: Graça Adjuto

Por Mariana Tokarnia - Repórter da Agência Brasil 

 

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

As rematrículas estão sendo realizadas de forma automática pelo Sistema de Gestão da Secretaria da Educação (Seduc), como ocorre anualmente, para alunos com 75% ou mais de frequência em sala de aula.

Para estudantes com índice inferior a 75% de frequência, será necessária a presença de pais e responsáveis na escola, caso o estudante seja menor de idade, para a realização do procedimento de forma presencial.

Pela primeira vez, os alunos maiores de idade que tiveram suas matrículas canceladas por infrequência em 2019, serão considerados alunos novos em 2020, realizando os procedimentos conforme datas propostas na Portaria de Matrículas, para ingresso e transferências.

Ingresso

O processo será realizado online pelo site da Secretaria da Educação. Quem quiser ingressar no 1º ano do Ensino Fundamental, Ensino Médio, Educação Profissional Integrada ao Ensino Médio, Ensino Médio Curso Normal, Aproveitamento de Estudos do Curso Normal e Educação Profissional, deve ficar atento ao prazo de 1º a 24 de novembro.

Transferências

As transferências de alunos do 2º ao 9º anos do Ensino Fundamental e do 2º e 3º anos do Ensino Médio deverão ser realizadas pelo site de 6 a 17 de janeiro de 2020. No caso da Educação para Jovens e Adultos (EJA), as inscrições e transferências, pela primeira vez, serão realizadas pelo site, de 6 a 22 de janeiro de 2020.

As inscrições e transferências online somente serão efetivadas com a matrícula presencial nas escolas, e mediante a entrega dos seguintes documentos:

* Certidão de nascimento do aluno e comprovante de escolaridade;
* Comprovante de residência do responsável;
* Para alunos do 1º ano do Ensino Fundamental: CNS (Cartão Nacional de Saúde), do NIS (Número de Identificação Social) e atestado de vacinação.

Mais detalhes nas Coordenadorias Regionais de Educação, nas Centrais de Vagas do interior e na Central de Vagas de Porto Alegre, localizada na Seduc (av. Borges de Medeiros, 1.501), ou pelo telefone (51) 3288-4888.

Texto: Ascom Seduc
Edição: Secom

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou em entrevista coletiva hoje (27) que o líder do Estado Islâmico (Isis), Abu Bakr Al-Bhagdadi, foi morto ontem (26). Ele foi emboscado por uma operação do governo do país no noroeste da Síria.

“Ele foi o fundador do Isis, a mais impiedosa e violenta organização do mundo. Os EUA estavam procurando Bhagdadi por muitos anos. Capturar ou matar Bhagdadi se tornou a prioridade em segurança nacional da minha administração”, declarou Trump.

O governante estadunidense relatou que o líder da organização terrorista tentou escapar mas entrou em um túnel sem saída. Diante da situação, ele teria matado três crianças e depois se suicidado. Outras 11 crianças teriam sido retiradas sem ferimentos do local onde o líder do Isis foi encontrado, acrescentou Trump.

O presidente informou que nenhum agente envolvido na operação conduzida pelas forças de segurança estadunidenses foi morto. Já “uma grande quantidade de lutadores de Bhagdadi” morreu junto com o líder do Isis.

Edição: Bruna Saniele
 
Por Jonas Valente – Repórter Agência Brasil 
 
 
Foto: JIM BOURG

Em vigor desde o dia 18 de outubro, a Lei 13872/19 garante, às mães lactantes, o direito de amamentar seus filhos, de até 6 meses de idade, durante provas de concursos públicos. A amamentação é permitida por períodos de até 30 minutos por filho, em intervalos de duas horas. Apesar de a nova lei representar avanço, especialistas consultados pela Agência Brasil avaliam ser necessária a compreensão dos fiscais de prova, no sentido de flexibilizar os prazos previstos pela legislação.

“É importante que o fiscal de provas tenha conhecimento e seja sensibilizado quanto a importância da amamentação porque, talvez, o bebê precise de um pouco mais do que 30 minutos”, explica a gerente do Banco de Leite Humano (BLH) do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz), Danielle Aparecida da Silva.

Mãe e servidora concursada do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Valesca Lira defende, além de períodos maiores do que 30 minutos a cada duas horas de prova, que a lei possibilite também a amamentação de crianças com idade superior a 6 meses.

“Entendo ser mais relevante para os bebês de até 6 meses porque trata-se da única forma de alimentação durante essa fase. No entanto, como não há alimentação sólida nesse período, o leite materno é digerido muito rapidamente . Portanto meia-hora, para alguns bebês, pode não ser tempo suficiente”, explica a mãe da Leila, um bebê de 1 ano e 2 meses.

Outra questão apontada por ela decorre do fato de que o ato de amamentar não se restringe à alimentação. “É também uma forma de conforto e amparo à criança. Por isso, penso que a lei deveria garantir a amamentação de crianças com idade mais avançada”, argumenta Valesca.

De acordo com a Constituição brasileira, a amamentação é um direito de todos. Já a Organização Mundial de Saúde preconiza a amamentação exclusiva e sob livre demanda até os 6 meses de idade; e de forma continuada até os 2 anos e meio ou por período ainda maior.

Com a nova legislação, as mulheres em período de lactação devem informar previamente, durante o ato de inscrição, a situação e o desejo de amamentar seu bebê, de forma a obter o apoio logístico necessário pela organização do concurso – em especial, para a disponibilização de espaço para os acompanhantes indicados pela mãe, com quem os bebês ficarão enquanto ela estiver fazendo a prova.

Um fiscal irá acompanhar a mãe durante a amamentação, e o tempo despendido na amamentação será compensado em igual período no fim da prova.

Para evitar situações em que o prazo de 30 minutos a cada duas horas precise ser ampliado, a gerente do BLH sugere, em primeiro lugar, que a mãe seja devidamente orientada, sobre os procedimentos a serem adotados durante as provas.

“Outra boa iniciativa [que não está prevista pela lei em questão] seria disponibilizar espaços para a coleta de leite, caso o seio dela ficasse muito cheio e desconfortável”, sugere Danielle.

Segundo Valesca, medidas como essas tranquilizariam a mãe na hora da prova. “Tiro como exemplo o meu trabalho no STJ. Lá, temos um berçário que é também lactário. Quando a servidora volta da licença maternidade, ela pode trazer o bebê. Assim, podemos trabalhar com mais tranquilidade, o que melhora, inclusive, nossa produtividade”.

Edição: Narjara Carvalho
Por Pedro Peduzzi - Repórter da Agência Brasil

Na manhã da última sexta-feira (25), os dentistas da rede de atenção básica da Secretaria Municipal de Saúde participaram do 2º Encontro Regional de Odontologia na Atenção Básica, realizado no auditório da OAB.
O evento contou com a participação de quatro profissionais da área que palestraram sobre variados temas, como a importância da realização do exame da cavidade bucal para prevenção ou diagnóstico precoce do câncer de boca.
O secretário adjunto José Luis Bermann representou o prefeito municipal no Encontro.

Foto: Assessoria de Comunicação Social || Fonte: Assessoria de Comunicação Social

O Grêmio voltou a campo na tarde deste domingo, em partida válida pela 28ª rodada do Campeonato Brasileiro. O Tricolor enfrentou o Botafogo na Arena e com gols de Maicon,  Thaciano e Everton, venceu a equipe do Rio de Janeiro por 3 a 0. Com o resultado, soma 44 pontos na competição.

A primeira chance do Grêmio surgiu aos 3 minutos, com Everton, que recebeu de Tardelli e finalizou, mas mandou à direita da meta defendida por Gatito. Já aos 7', Alisson cobrou uma falta em curva no segundo poste, mas a zaga da equipe carioca afastou. Em seguida, Leo Moura cruzou rasteiro, a bola passou por todo mundo na área e sobrou para Tardelli, que levantou no segundo poste para o lateral voltar e mandar de primeira, em direção ao ângulo, mas a bola subiu demais.

O Botafogo respondeu aos 10', com um ataque após cobrança de lateral. João Paulo colocou na área para Victor Rangel desviar de cabeça, mandando à esquerda do gol gremista.

O gol do Grêmio nasceu de uma linda jogada pela meia direita aos 11 minutos. Luciano recebeu de costas, fez o giro e percebeu a entrada de Maicon na linha defensiva. O volante recebeu o passe e na saída de Gatito, mandou para o fundo das redes.

Aos 22', os gremistas tiveram outra oportunidade em cobrança de escanteio; Alisson colocou no segundo poste, mas a defesa carioca afastou. Na sequência, depois de erro na saída de jogo do Botafogo, Maicon pegou a sobra e tentou passe para Everton, mas a zaga cortou - a bola chegou a Luciano que cruzou para Cebolinha - o atacante finalizou de voleio, mas mandou pra fora.

Os cariocas chegaram em duas oportunidades de escanteio, aos 32'. Leo Valencia colocou na primeira trave, mas a defesa tricolor fez o corte. Na segunda, a bola ficou viva na área e chegou a Victor Rangel, que tentou a finalização de bicicleta, mandando à direita da meta gremista, com muito perigo.

Próximo aos 40 minutos, Alisson puxou contra-ataque e serviu Everton. O atacante acionou Luciano, que chutou cruzado, mas a bola se perdeu pela linha de fundo. Em resposta, após escanteio, Gabriel mandou de cabeça em direção ao gol gremista, obrigando Paulo Victor a fazer boa defesa.

Na reta final do primeiro tempo, Maicon chutou forte da meia esquerda, obrigando Gatito Fernandez a fazer a defesa em dois tempos. No lance seguinte, no bico da grande área, Alisson foi derrubado com falta. Luciano cobrou direto, buscando o ângulo direito, explodindo no travessão. 

Na etapa complementar, nos minutos iniciais, Léo Moura venceu a marcação de Leo Valencia e cruzou na área, mas Gabriel conseguiu cortar e impedir o ataque gremista. Em seguida, da intermediária de ataque, Everton foi acionado, puxou pra perna direita e arrematou a gol, obrigando Gatito a espalmar para escanteio, com 3 minutos.

O Botafogo tentou aos 7 minutos, com Yuri, que chutou de longe, mas mandou por sobre a meta. O Grêmio reagiu ao ataque e, com Everton, fez boa jogada individual. Cebolinha passou por três marcadores e chutou a gol, para outra defesa do arqueiro adversário.

Outra grande chance surgiu pela direita, aos 15'. Maicon limpou a jogada e serviu Matheus Henrique, que recebeu e mandou uma bomba, obrigando boa defesa de Gatito Fernández.

O Botafogo teve uma oportunidade em bola parada com 22 minutos de bola rolando. Marcinho colocou na área, Paulo Victor saiu mal para defender e Diego Souza desviou de cabeça -  por sorte, mandou por cima do gol.

Aos 25', Everton acionou Tardelli em velocidade na área pelo lado esquerdo. O atacante cruzou, Gatito espalmou para dentro e Thaciano, no rebote, mandou para o fundo das redes, assinalando o segundo gremista.

O terceiro gol saiu do pés de Everton, aos 34'. O atacante invadiu a área e cruzou da esquerda. Pepê acionou Thaciano mais atrás, que finalizou, mas Gatito salvou. No rebote, Cebolinha não perdoou e mandou para o fundo das redes.

Já na reta final, aos 43', Tardelli acionou Everton na área, o atacante invadiu a área e finalizou, mas o goleiro adversário defendeu.

Com o resultado, Tricolor soma mais três pontos e chega a 44 no Brasileirão.

O próximo confronto do Grêmio é na quarta-feira, contra o Vasco, às 21h30, no Rio de Janeiro.

 

Foto: Itamar Aguiar | Grêmio FBPA

Página 6 de 377
Topo